segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011


A poetisa, a mística e a gata
Fonte: O POVO Online/OPOVO/Mundo
28.02.2011 01:30

A Igreja Católica italiana apresenta em sua história uma contradição fecunda. Por um lado há a presença forte do Vaticano, representando a Igreja oficial com sua massa de fiéis mantidos sob vigilante controle social pelas doutrinas e especialmente pela moral familiar e sexual. Por outro, há a presença de cristãos leigos e leigas não alinhados, resistentes ao poder monárquico e implacável da burocracia da Cúria romana mas abertos ao evangelho e aos valores cristãos sem romper com o Papado embora críticos de suas práticas e do apoio que dá a regimes conservadores e até autoritários.
Assim temos a figura de Antônio Rosmini no século XIX, fino filósofo e crítico do antimodernismo dos papas. Modernamente identificamos figuras como Mazzolari, Raniero La Valle, Arturo Paoli, a eremita Maria Campello. Entre todos destaca-se Adriana Zarri, eremita, teóloga, poetisa e exímia escritora. Além de vários livros, escrevia semanalmente no diário Il Manifesto e quinzenalmente na revista de cultura Rocca.
Era duríssima contra o atual curso da Igreja sob os Papas Wojtyla e Ratzinger a quem acusava diretamente de trair os intentos de reforma provados pelo Concílio Vaticano II (1962-1965) e voltar a um modelo medieval de exercício de poder e de presença da Igreja na sociedade. Veio a falecer no dia 18 de novembro de 2010 com mais de 90 anos.
Visitei-a por algumas vezes em seu eremitério perto de Strambino no norte da Itália. Vivia só num enorme e vetusto casarão, cheio de rosas e com sua gata de estimação Arcibalda. Tinha uma capela com o Santíssimo exposto para onde se recolhia várias horas por dia em oração e profunda meditação.
Na conversa com ela, queria saber tudo das comunidades eclesiais de base, do engajamento da Igreja na causa dos pobres, dos negros e dos indígenas. Tinha um carinho especial pelos teólogos da libertação por causa da perseguição que sofriam por parte das autoridades do Vaticano que os tratavam, segundo ela, “a bastonadas”enquanto usavam luvas de pelica aos seguidores do cismático Mons. Lefebvre.
Seu último artigo, publicado três dias antes de sua morte, dedicou-o à gatinha de estimação Arcibalda. Com ela, como pude testemunhar pessoalmente, possuía uma relação afetuosa como de íntimos amigos. Aquilo que a nossa grande psicanalista junguiana Nise da Silveira descreveu em seu livro Gatos, a emoção de lidar o confirmou Zarri:”o gato tem a capacidade de captar o nosso estado de alma; se me vê chorando, logo vem lamber minhas lágrimas”. Contam que a gata esteve junto dela enquanto expirava. Ao ver os amigos chegarem para o velório, se enrolava, nervosa, na cortina da sala. Como se soubesse a hora, discretamente, pouco antes de fecharem o féretro, entrou discretamente na capela.
Alguém, sabendo do amor da gatinha por Adriana Zarri, pegou-a no colo e a aproximou ao rosto da defunta. Fixou-a longamente e parecia que lacrimejava. Depois colocou-se debaixo do féretro e aí permaneceu em absoluta quietude.
Isso me reporta à nossa gata, a Branquinha. Parece uma menina frágil e elegante. Apegou-se de tal maneira à minha companheira Márcia que sempre a acompanha e dorme a seus pés, especialmente, quando passa por algum aborrecimento. Ela capta seu estado de alma e procura consolá-la roçando-se nela e miando suavemente.
Adriana Zarri deixou uma epígrafe que vale a pena ser reproduzida: ”Não me vistam de preto: é triste e fúnebre. Nem me vistam de branco porque é soberbo e retórico. Vistam-me de flores amarelas e vermelhas e com asas de passarinho. E Tu, Senhor, olhe minhas mãos. Talvez tenham colocado um rosário, talvez uma cruz. Mas se enganaram. Nas mãos tenho folhas verdes e sobre a cruz, a tua ressurreição. E sobre minha tumba não coloquem mármore frio com as costumeiras mentiras para consolar os vivos. Deixem que a terra escreva, na primavera, uma epígrafe de ervas. Ali se dirá que vivi e que espero. Então, Senhor, tu escreverás o teu nome e o meu, unidos como duas pétalas de papoulas”.
A mística dos olhos abertos, Adriana Zarri, nos mostrou como viver e morrer bela e docemente.
Leonardo Boff , TEÓLOGO

Leonardo Boff
lboff@leonardoboff.com

sábado, 26 de fevereiro de 2011

EM DEFESA DO VERDADEIRO E AUTÊNTICO FORRÓ NORDESTINO.

O SOM DO CEARÁ:
A indústria da música fortalecendo o machismo, o álcool, e a poluição sonora.

Apologia a bebida alcoólica, paredões de som e completo desrespeito à mulher. É assim que as bandas cearenses de maior destaque estão destruindo a nossa música genuína, denominando esse ritmo, de gosto duvidoso, de forró.
“Abre o som”, “Deixa o Som Tocar”, “Beber e Raparigar”, “Bebendo Pinga, Bebendo Cerveja”, “Beber, Cair e Levantar”, “Bebo Pra Carai”, “Cachaça, Mulher e Gaia”, “Cachaceiro”, “De Bar Em Bar, De Mesa Em Mesa”, “Eu bebo”, “Motivos Pra Beber”, “Eu bebo”, “Ele Bebe, Ele Fuma, Ele foge”, “De Rapariga Eu Entendo”, “Lapada Na Rachada”, “Locadora de mulher”, “Maria Gasolina”, “Mulher Fuleira”...
Esses são alguns dos “hits” que levam milhares de adolescentes e jovens a introjetarem a cultura do desrespeito ao meio ambiente, onde o melhor é o que faz mais barulho, o incentivo ao consumo de bebidas alcoólicas que na maioria das vezes está atrelado a direção perigosa e o sexismo com a completa desqualificação da mulher.
Acidentes são frequentes na volta de festas e muitas vidas já foram ceifadas, mas a cada dia a indústria deste tipo de música - capitaneada por empresas capitalistas que só visam o lucro – se expande e domina o mercado.
O que mais me chama atenção é o poder público compactuar com essa degradação cultural, contratando a peso de ouro essas atrações. O que se gasta com ações educativas para prevenir gravidez na adolescência, alcoolismo, políticas para a juventude, para igualdade de gênero e respeito ao meio ambiente, são em um só evento postas abaixo.
É fato que a sociedade está começando a se insurgir contra essa “praga”, exemplo disso foi a mobilização no período do pré-carnaval de Fortaleza que culminou com a aprovação da “lei do paredão”.
O momento é oportuno para aprofundar a discussão. O carnaval está chegando e em dois meses teremos as festas juninas. É importante que com a vitória da “lei do paredão”, avancemos e façamos uma requalificação das festas juninas em Fortaleza e em nosso estado do Ceará, que estão totalmente descaracterizadas. A idéia é que as nossas raízes culturais sejam preservadas, que o modismo não sobreponha a tradição e que os cearenses não se envergonhem da sua produção musical.
Como “gonzagueana”, nordestina, cearense, cabocla da minha terra querida, Tejuçuoca, estou otimista. Acredito que os nossos governantes não continuarão compactuando com esse desastre.
Alexandrina Mesquita Mota Brito, fisioterapeuta, especialista em Auditoria em Saúde e Psicomotricidade Relacional e Membro da Associação Cearense do Forró.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

NA WEB E NO AR A WIKILILI.

Como prometemos dias atrás estamos, com esta postagem, anunciando o início das atividades da WikiLili. Inspirados na ong WikiLeaks, teremos como objetivo, dentro da linha jornalística já adotada por nossa Rádio Liberdade, de levar informação de interesse público a todos nossos ouvintes e internautas que navegam neste blog, divulgando tudo aquilo que chegue ao nosso conhecimento, seja por fontes anônimas ou identificadas, documentos, fotos, informações confidenciais, não protegidas por sigilo legal etc, que tenham comprovação de veracidade. O WikiLili tem como objetivo primorcial a defesa e a promoção da democracia, a denúncia da corrupção, a promoção e a defesa dos direitos humanos, da paz mundial, da política da não-violência e da solidariedade.
Na verdade, a WikiLili é nada mais, nada menos, do que a continuação do que este blog e a Rádio Liberdade já vêm fazendo desde abril de 2007. A única diferença é que, a partir de agora, esse quadro terá o nome de WikiLili, nome que se dá em homenagem à organização transnacional WikiLeaks, que vem desvendando muita patifaria mundo afora, especialmente desmontando o jogo sujo, a violência, a corrupção e a hipocrisia das grandes potências mundiais e de muitos de seus dirigentes.
O WikiLeaks tem como fonte de suas postagens colaboradores espalhados pelo mundo todo que, no anonimato ou se identificando, contribuem para a ampla liberdade de informação e de opinião, e para construção de um mundo melhor, de uma sociedade sem hipocrisia, de liberdade e da superação das tragédias humanas a partir, especialmente, do conhecimento e da informação.
Adotamos como símbolo da WikiLili essa enigmática fotografia de Jane Marple "comumente conhecida como Miss Marple, é uma personagem de ficção presente em doze obras de Agatha Christie. Miss Marple é uma velha solteirona que desvenda os mais intrincados mistérios baseando-se apenas em seu profundo conhecimento da natureza humana. Ela vive no vilarejo de St. Mary Mead. Sua primeira aparição foi no romance The Murder at the Vicarage (Assassinato na Casa do Pastor no Brasil ou Crime no Vicariato em Portugal) em 1930". A personagem foi interpretarda pela atriz inglesa (foto) Dame Margaret Rutherford". (Fonte: Wikipedia).
Até segunda-feira a WikiLili divulgará o seu primeiro documento,
que diz respeito a caso do nosso município de Boa Viagem,
que representa uma verdadeira bomba.

Conheça o WikiLeaks


WikiLeaks é uma organização transnacional sem fins lucrativos, sediada na Suécia,[1] que publica, em seu site, posts de fontes anônimas, documentos, fotos e informações confidenciais, vazadas de governos ou empresas, sobre assuntos sensíveis. O site foi construído com base em vários pacotes de software, incluindo MediaWiki, Freenet, Tor e PGP.[2] Apesar do seu nome, a WikiLeaks não é uma wiki - leitores que não têm as permissões adequadas não podem editar o seu conteúdo.
O site, administrado por The Sunshine Press,[3] foi lançado em dezembro de 2006 e, em meados de novembro de 2007, já continha 1,2 milhão de documentos.[4] Seu principal editor e porta-voz é o australiano Julian Assange, jornalista e ciberativista.[5]
Ao longo de 2010, WikiLeaks publicou grandes massas de documentos confidenciais do governo dos Estados Unidos, com forte repercussão mundial. Em abril, divulgou um vídeo de 2007, que mostra o ataque de um helicóptero Apache norte-americano, matando pelo menos 12 pessoas - dentre as quais dois jornalistas da agência de notícias Reuters - em Bagdá, no contexto da ocupação do Iraque. O vídeo do ataque aéreo em Bagdá (Collateral Murder) é uma das mais notáveis publicações do site.[6][7] Outro documento polêmico mostrado pelo site é a cópia de um manual de instruções para tratamento de prisioneiros na prisão militar norte-americana de Guantánamo, em Cuba.[8] Em julho do mesmo ano, WikiLeaks promoveu a divulgação de uma grande massa de documentos secretos do exército dos Estados Unidos, reportando a morte de milhares de civis no guerra do Afeganistão em decorrência da ação de militares norte-americanos. Finalmente, em novembro, publicou uma série de telegramas secretos enviados pelas embaixadas dos Estados Unidos ao governo do país.
Em 2 de fevereiro de 2011, o WikiLeaks foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz,[9][10] pelo parlamentar norueguês Snorre Valen. O autor da proposta disse que o WikiLeaks é "uma das contribuições mais importantes para a liberdade de expressão e transparência" no século XXI. "Ao divulgar informações sobre corrupção, violações dos direitos humanos e crimes de guerra, o WikiLeaks é um candidato natural ao Prêmio Nobel da Paz", acrescentou.[11]
(Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/WikiLeaks)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

PRÁ VERMOS COMO, NEM SEMPRE, A REALIDADE DOS FATOS SE REPRODUZ NOS PROCESSOS. PREFEITO ABSOLVIDO EM PROCESSO DO SALÁRIO-ESPOSA.

A nossa Rádio Liberdade e também este blog tem procurado, sempre, agir dentro do que se espera de um correto veículo de comunicação. Divulgando os fatos tal qual eles acontecem. Divulgamos aqui os inúmeros processos a que responde o prefeito Fernando Antônio Vieira Assef, sejam processos administrativos (alguns já com julgamentos definitivos), sejam judiciais. Um desses processos acaba de ser julgado pelo MM. Juiz de Direito da Comarca de Boa Viagem.

Trata-se de um de uma ação originada pela fraude do chamado salário-esposa, que consistia no pagamento de salário a quem não trabalhava, fato, aliás, público e notório. Nesse processo o prefeito foi absolvido.

Ainda não obtivemos o conteúdo da decisão que julgou improcedente a ação, por isso não temos os elementos necessários para saber o que aconteceu. Confiamos plenamente no atual Juiz da Comarca. Contudo, isso não impede de refletirmos uma situação que é comum no campo do direito: nem sempre a realidade dos fatos é reproduzida na realidade do processo, ou seja, muitas vezes por algum equivoco de interpretação, ou mesmo por alguma deficiência na produção das provas necessárias a uma condenação, acaba levando à absolvição de quem deveria ser condenado. Nesse sentido, há uma conhecida expressão jurídica que esclarece essas situações: "o que não está no processo, não está no mundo".


Esse caso do salário-esposa é fato real. Comprovado. Todos em Boa Viagem conhecem os personagens e sabem que, verdadeiramente, ganhavam sem trabalhar e era uma forma utilizada pelo prefeito Fernando Assef para calar os vereadores, para manter os vereadores omissos quanto ao seu papel fiscalizador.


Esse processo que agora foi julgado fala por si. Dentre os nomes que constam do processo consta, por exemplo, o Fábio dos Reis Mota, que era indicado pelo ex-vereador Branco. Ele confessou que, de fato, não trabalhava e que apenas emprestava o nome a pedido do Branco. Aliás, o Branco, em outro processo que tratou desse assunto, foi condenado. Ora, mas quem nomeou uma pessoa só para ganhar sem trabalhar?

Os nomes desse processo agora julgado são os seguintes:

Reu : FERNANDO ANTONIO VIEIRA ASSEF
Reu : ANTONIA DE LIMA MARINHO
Reu : JOSE ANCHIETA PAIVA CHAVES
Reu : JOSENEIDE R. DO NASCIMENTO
Reu : JURANDY BATISTA C. FILHO
Reu : LUCILDA MAIA ROCHA
Reu : MARIA MARTINS DE LIMA
Reu : MAIRA SIDNÉIA SOUZA DA SILVA
Reu : FÁBIO DOS REIS MOTA

O fato real é: o povo de Boa Viagem novamente ficou no prejuízo. Conhecendo a vida real de Boa Viagem, como todos conhecem, façam o seu julgamento.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DE FORTALEZA INTENSIFICA AÇÕES COM ASSOCIAÇÕES DE MORADORES.

CAMPANHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E COLETA SELETIVA PARA O BAIRRO VILA UNIÃO

Aconteceu no dia 17 de fevereiro uma reunião na Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Controle Urbano - SEMAM para discutir acerca da implantação da coleta seletiva e da educação ambiental no bairro Vila União. Além do secretário Dr. Deodato Ramalho, estiveram presentes representantes do Jornal Une Vila, da Associação de Moradores do Vila União, da Associação de Catadores “Reciclar é uma Maravilha”, da Ecofor, do Centro Social Urbano Presidente Médici e de técnicos da SEMAM.
A iniciativa da campanha conta com o envolvimento da associação de moradores do bairro e do grupo do Jornal Une Vila que não mediram esforços em buscar parceiros, além de adquirir os tambores para a coleta do material. No encontro foi discutido um plano de ação onde, inicialmente, serão distribuídos 30 (trinta) tambores em locais estratégicos do bairro, para cada ponto de coleta serão disponibilizados 05 (cinco) tambores, ou seja, o bairro contará com 06 (seis) pontos de coleta que irão receber papel, papelão, plásticos, vidros e metais, e serão recolhidos por um caminhão da Ecofor em dia e horário ainda a combinar.
Os recicláveis recolhidos serão doados para a Associação de Catadores “Reciclar é uma Maravilha” localizada no Conjunto Habitacional Planalto Universo. Esse material irá beneficiar diretamente, em torno de 14 catadores de materiais recicláveis e suas famílias que tem como principal atividade a catação. As vantagens da reciclagem perpassam pelas diversas esferas da dinâmica humana: contribui para a redução de impacto ambiental aumentando a vida útil dos aterros sanitários, pode ser fonte de emprego e renda, e melhora a qualidade de vida da população como um todo.
A campanha tem como objetivo principal incentivar a comunidade local a entregar os recicláveis nos pontos de coleta e também de gerenciar adequadamente o lixo comum, tendo em vista os impactos ambientais causados pela má disposição destes resíduos, evitando assim a formação de pontos de lixo no bairro que atraem vetores transmissores de doenças.
O que fazer com o nosso lixo?
1º Separe seu lixo em dois recipientes:
Lixo seco: metais, plásticos, papéis e vidros.
Lixo úmido: restos de comida, cascas de alimentos, lixo de banheiro, varrição da casa e de ruas.
2º Ensacar bem o lixo e colocá-lo em frente a sua casa no dia e horário que o caminhão passar, assim a gente evita que os animais mexam no lixo e espalhe, sujando a rua;
3º Evitar queimar, enterrar ou jogar em rios, lagoas, riachos e canais;
4º Se o caminhão não passar na sua rua, coloque o lixo na lixeira mais próxima. Não jogue no chão, pois ele atrai insetos e animais que transmitem doenças;
5º Não jogue lixo nas ruas;
6º Nunca jogar lixo pela janela do carro ou ônibus, pois o lixo jogado nas ruas pode entupir bocas de lobo e provocar alagamentos;
7º Doe o material (lixo seco) para a Associação de catadores mais próxima, no caso, a “Associação Reciclar é uma Maravilha”. Horário de entrega: das 07:00 às 19:00 horas. Rua Sol, s/n – Planalto Universo – Bairro Vila União. Contato: (85) 8642.8187 (Conceição) ou 8849.0805 (Lindoval).

domingo, 20 de fevereiro de 2011

OLÁ! TUDO BEM? PAULO HENRIQUE AMORIM AOS BLOGUEIROS DO CEARÁ

OLÁ! TUDO BEM? INFORMAÇÃO COM CREDIBILIDADE É NA RÁDIO LIBERDADE.

PASSADA A ELEIÇÃO VÃO CAINDO, UMA A UMA, AS MENTIRAS E ARMAÇÕES DO PIG E DA DIREITA BRASILEIRA.

Caixa retoma imóveis que PiG (*) quis usar contra Dilma

Presidenta cala o PiG (*)

Saiu no Blog do Planalto:

Caixa recupera imóveis ocupados irregularmente em Feira de Santana (BA)

A Caixa Econômica Federal (CEF), por meio de sua Assessoria de Imprensa, divulgou nota na qual informa que a Justiça Federal concedeu liminares para que os dois imóveis do Residencial Nova Conceição, em Feira de Santana (BA), sejam desocupados em 30 dias. Segundo a Caixa, tal decisão é resultado das “medidas adotadas para impedir práticas irregulares no Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV).

A seguir a íntegra do comunicado da Assessoria de Imprensa da Caixa.

“CAIXA RETOMA IMÓVEIS IRREGULARES EM FEIRA DE SANTANA

Justiça Federal determina desocupação em 30 dias

Dando sequência às medidas adotadas para impedir práticas irregulares no Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV), a Caixa Econômica Federal conseguiu, na Justiça Federal, liminares para desocupação, em 30 dias, de dois imóveis ocupados irregularmente no Residencial Nova Conceição, na cidade de Feira de Santana (BA). A Justiça Federal reconheceu a irregularidade e a perda do direito daqueles ocupantes.

Com esta iniciativa, a CAIXA e o Governo Federal deixam claro que não vão tolerar ações daqueles que pretendam desviar a finalidade do PMCMV, que é de dar condições dignas de moradia às famílias de baixa renda.

Assessoria de Imprensa

Caixa Econômica Federal”


(*) PIG - PARTIDO DA IMPRENSA GOLPISTA. Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista. (Paulo Henrique Amorim, jornalista, âncora da Rede Record e criador do blog Conversa Afiada).

sábado, 19 de fevereiro de 2011

PSDB: ESSES DO CEARÁ SÃO ASSIM DESDE A ÉPOCA EM QUE ERAM FIÉS DEFENSORES DA DITADURA.


(Foto: http://www.cearaagora.com.br/)
PSDB do Ceará: discurso de oposição, prática de fiel aliado
Fonte: O POVO Online/OPOVO/Politica
Nem de longe o PSDB do início do 2º governo Cid lembra aquele PSDB que disputou, em 2010, o Palácio Iracema - 19.02.2011 01:30 - Jornal O POVO.
Acuado por uma Assembleia Legislativa formada por maciça bancada aliada, o PSDB ainda é contraditório quanto a definir se será oposição ao Governo estadual. Oficialmente, a sigla se diz opositora ao governador Cid Gomes (PSB). Na prática, mostra uma branda fiscalização em torno dos atos do Executivo. Tal postura ficou evidente na recente votação que derrubou requerimento do deputado Heitor Férrer (PDT), que pedia explicações a Cid sobre viagem de férias em jatinho do empresário Alexandre Grendene, que recebe incentivos fiscais do Estado.
Durante a votação, dois dos que seriam os principais opositores se ausentaram do plenário, embora houvessem passado pela Assembleia. João Jaime, além de não dar seu voto, afirmou ao O POVO nem sequer saber que haveria votação. Já Fernando Hugo disse que saiu do plenário por motivos particulares e que não avaliaria a questão. Nem durante o debate sobre a matéria matéria a bancada tucana se manifestou, à exceção do líder do partido na Casa, Moésio Loiola, que defendeu Cid e liberou a bancada.
Tempo de aprender
Em meio ao imbróglio, o presidente municipal do PSDB, Marcos Cals, chegou a afirmar que os tucanos “não sabem fazer oposição”. “Não temos o hábito de fazer oposição. Estamos num período de aprendizado”, disse.
Já o presidente estadual da legenda, deputado federal Raimundo Gomes de Matos, rebateu a ideia de que o PSDB recue da crítica direta ao governo, apontando que foi contra à proposta de diminuição do ICMS para bebidas alcoólicas, no final de 2010, e contra o recente projeto de simplificação da licença ambiental, cujo substitutivo foi aprovado por quase unanimidade em janeiro deste ano, inclusive com voto a favor dos tucanos.
ENTENDA A NOTÍCIA
Mal o ano começou e o PSDB do Ceará já mostra sua baixa capacidade de ser oposição. Isso porque boa parte dos deputados foi eleita graças ao apoio de Cid, necessitando dele ainda para fazer cumprir suas promessas de campanha.

VAMOS NÓS: A esse respeito, razão tínhamos nós e a "torcida do Flamengo". Lembram da enquente feita neste blog perguntando quando o PSDB, depois de perder a eleição, aderiria ao governo? Seria logo após a eleição? Seria no prazo de trinta dias? Ou seria no dia da posse? Ganhou a resposta que afirmava que seria logo após a eleição. Acerto no mosca! Foi isso mesmo que aconteceu.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

GOVERNOS DO PT: SALÁRIO MÍNIMO AUMENTOU 112% CONTRA INFLAÇÃO DE 44%. A VERDADE QUE O POVO SABE.

Salário mínimo e inflação no Brasil
De 2003 a 2010, mínimo subiu 112% e inflação, 44%
Em janeiro de 2003, quando Lula assumiu, o salário mínimo herdado de Fernando Henrique Cardoso foi de R$ 200. O aumento dado pelo novo governo foi de 20%, fazendo o piso subir para R$ 240.

Abaixo, o gráfico anual da evolução do mínimo
















No que diz respeito à inflação, o Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA) subiu 44% entre 2003 a 2010, pouco mais de um terço dos 112% que o mínimo teve de aumento no período.


Abaixo, o gráfico anual dos índices de inflação


















(Para visualizar melhor clique na figura).



Em dólar, o salário mínimo subiu quase quatro vezes entre o primeiro e o último ano do governo Lula, de US$ 82 em 31 de dezembro de 2003 para US$ 307 em 31 de dezembro de 2010.

Fonte: http://contextolivre.blogspot.com/

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

BOA VIAGEM TEM DISSO SIM... EMBORA MUITOS PREFIRAM A ESCÓRIA!


Todos sabem da meu profundo interesse pela tecnologia da informação, pela utilização das modernas ferramentas de comunicação, como as redes sociais. Orkut, Facebook, Twitter, blogs (destaco aqui o blog da Liberdade e da FM Canudos), só para citar esses mais populares, que inicialmente eram vistos como meros sites de relacionamentos superficiais, de espaço de paqueras de adolescentes, se transformaram em verdadeiros instrumentos de mobilização social, de partilha de conhecimento, troca de experiência e, quem diria, extraordinários meios de politização, ajudando a desmontar ditaduras, a construir democracias; a desmontar armações da grande mídia, como foi o caso das últimas eleições no Brasil e da manipulação do ditadura do Egito, entre tantos outros exemplos. Pois foi exatamente nessa interração, via Twitter, que tive o prazer de conhecer dois jovens boa-viagenses, que me conheciam de nome, porém comigo nunca tinham conversado ou até mesmo me visto pessoalmente, salvo à distância ainda quando eram crianças. Refiro-me ao Samuel Miranda (filho do Pedro França e da dona Roselina Mateus. Para ficar mais fácil o reconhecimento: sobrinho do Luiz Mateus) e ao Eudson Maia Junior (inicialmente pelo blog da Liberdade e depois no Twitter).
Nesta postagem quero destacar o encontro com o Samuel Miranda. Nos falamos a primeira vez , quando o jovem geógrafo me localizou pelo Twitter e fez a referência de nossas raízes boa-viagenses. Mais ainda: mencionando que eu já havia advogado para sua família e que, também como eu, compreende a urgente necessidade de resgate da dignidade da nossa querida Boa Viagem. O Samuel é geógrafo, com mestrado na área e professor do CENTEC, em Fortaleza. Hoje tive a grata satisfação de recebê-lo em meu gabinete na Secretaria do Meio Ambiente e Controle Urbano - SEMAM, ocasião em que iniciamos as tratativas para celebração de convênio entre a SEMAM e o CENTEC (Secretária de Educação do Estado do Ceará) objetivando o acolhimento dos alunos que cursam o Centro Tecnológico para estágio nos diversos setores da SEMAM.
O jovem professor e mestre em geografia assumirá, brevemente, a Coordenação do CENTEC no qual é lotado.
Boa Viagem tem disso sim! Embora muitos (esperamos que cada vez menos) teimem em festejar as velhas e carcomidas "lideranças" que tanto sujam o nome de nossa terra.

ESTADOS UNIDOS: A HIPOCRISIA. A VERDADEIRA FÁBRICA DE MENTIRAS NA POLÍTICA INTERNACIONAL.

CINISMO DE WASHINGTON
A diplomacia norte-americana se superou em termos de cinismo. Com a queda de Hosni Mubarak no Egito, Hillary Clinton, secretária de Estado da Casa Branca, cobrou dos iranianos que façam o mesmo com Mahmud Ahmedinejad. No que foi seguida pelo presidente Barack Obama. Ora, Washington não perde a mania, adquirida pelo menos desde a Segunda Guerra, de se intrometer nos assuntos dos países alheios. Age como polícia e consciência moral do mundo, sem ter recebido delegação para tal. E faz isso sobretudo em assuntos nucleares, tendo sido o único país do mundo a já ter feito uso de uma arma atômica.

(Essa foto não é da matéria do O POVO. Retrata ataque dos militares americanos a alvos civis no Iraque, país que foi invadida sob a desculpa, que se provou depois ser mentirosa, de que ali havia armas de destruição em massas. A manchete desta matéria também não é do texto original do jornal O POVO, jornalista Érico Firmo).

Mas isso é só o cinismo de praxe. O pior é que, desta vez, a Casa Branca fez pose de que apoiou o movimento que derrubou Mubarak. Balela. A posição de Washington foi hesitante até a situação do ex-presidente se tornar insustentável. Ao longo de 30 anos, os Estados Unidos se valeram do governante, agora deposto pela população egípcia, na condição de aliado preferencial e elemento de mediação de suas tensas relações com o Oriente Médio.
MANIPULAÇÃO E JOGO DE INTERESSES

Como sempre, os Estados Unidos são mais ou menos defensores da democracia e dos direitos humanos nos países estrangeiros, a depender de seus interesses geopolíticos. A América do Sul em geral, e o Brasil em particular, sabem bem como Washington é capaz de esquecer o propalado apreço pela democracia e se valer das ditaduras que se dispõem a ser aliadas.
Não digo que o mundo não seria um lugar melhor se fossem alijados do poder Ahmedinejad, Chávez, Castro e outros tantos adeptos do personalismo, centralização e concentração de poderes, no mínimo. Mas isso é questão interna de cada País. Evidentemente a crítica é legítima. O mesmo não se pode dizer do uso de mecanismos institucionais, aparato de inteligência e mesmo ferramentas bélicas. A autodeterminação dos povos, afinal, é princípio consagrado na Carta das Nações Unidas. Que data mais ou menos desde a mesma época em que os Estados Unidos passaram a se arvorar da condição de guardiões da ética em escala planetária.
OS RISCOS DA POLÍTICA DO CONTRA

Tudo bem que se celebre a queda de Mubarak. Mas é preciso saber o que o Egito vai colocar no lugar. Não se faz, ou não se deve fazer, política contra algo sem que se tenha o mínimo de clareza do que se vai substituir as velhas estruturas. Emerge como principal força da velha oposição a Irmandade Muçulmana, tradicionalíssimo grupo – data da década de 20 do século passado – de natureza radicalmente teocrática. O que não parece, definitivamente, promissor no sentido da modernização da política egpícia.
Érico Firmo

ericofirmo@opovo.com.br

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO CONFIRMA CONDENAÇÃO DO EX-PREFEITO ARGEU VIEIRA, FIXANDO A PENA DE 18 ANOS DE PRISÃO.

Publicação de Acórdão - Em 03/02/2011 19:01
Acórdão Desembargador(a) Federal Relator(a)
[Publicado em 04/02/2011 00:00] [Guia: 2011.000091] (M849)
EMENTA
PENAL E PROCESSUAL PENAL. FURTO QUALIFICADO. FORMAÇÃO DE QUADRILHA. LAVAGEM DE DINHEIRO. PRELIMINARES. NULIDADE INTERCEPTAÇÕES. CERCEAMENTO DE DEFESA. REJEIÇÃO. AUTORIA E MATERIALIDADE DELITIVAS COMPROVADAS. DOSIMETRIA DA PENA. CIRCUNSTÂNCIAS DO ART. 59. PENA-BASE. MAJORAÇÃO QUANTO AOS CRIMES DE FURTO QUALIFICADO, LAVAGEM DE DINHEIRO E FORMAÇÃO DE QUADRILHA.
1. 1. A sentença recorrida condenou o réu último pela participação na preparação e execução do furto ao Banco Central de Fortaleza/CE, bem como nas atividades de ocultação e posterior divisão de parte do numerário (art. 1º, VII, § 1º, II e § 2º, I e II da Lei nº. 9.613/98 e art. 155, § 4º, I, II e IV c/c art. 288 e 304 do CP), às penas de 47 (quarenta e sete) anos de reclusão, cumulada com multa de 2.500 (dois mil e quinhentos) dias-multa, sendo cada dia multa fixado em três salários mínimos vigentes à época dos fatos.
2. Não há ilegalidade da decisão que decretou a interceptação telefônica, bem como nas posteriores renovações da medida, pois se encontram as mesmas fulcradas em relevantes indícios das práticas delituosas.
3. Não merece prosperar a insurgência da defesa contra a determinação de juntada de documentos após o oferecimento de alegações finais, sob o argumento de que a instrução já havia sido encerrada. tal prefacial, já que cabe ao juiz determinar as diligências que entender necessárias em busca da verdade real. Além disso, não houve qualquer prejuízo à defesa, que foi devidamente intimada para se pronunciar sobre os documentos juntados, em obediência ao contraditório e à ampla defesa.
4. Na fase do art. 402 do CPP somente poderão ser requeridas as diligências 'cuja necessidade se origine de circunstâncias ou fatos apurados na instrução', sendo que a necessidade alegada deverá ser avaliada pelo Juiz, como o foi no presente caso, em decisão devidamente fundamentada.
5. De acordo com as provas constantes nos autos, há evidência comprobatória farta da participação do Réu na prática criminosa, cujos desígnios foram imprescindíveis para a execução do furto, atuando todos na fase executiva e ulterior, o que ensejou, inclusive, a consideração dos outros tipos penais de quadrilha e lavagem de dinheiro. Evidencia-se, claramente das provas constantes nos autos, que o Apelante participou efetivamente no furto ao BACEN, através da preparação e execução do crime, bem como das atividades de ocultação e posterior divisão de parte do numerário (art 1º, incs. V e VII,§ 1º, II e § 2º, I e II. da Lei 9613/98 e art. 155,§ 4º, I, II e IV , c/c art. 288 do Código Penal. Insubsistentes, portanto, as alegações de que não se encontra devidamente comprovada a participação do Réu nas práticas criminosas.
6. No que concerne à dosimetria da pena, merece reparos a sentença de 1º grau, já que não procedeu à adequada motivação das circunstâncias judiciais constantes no art. 59 do Código Penal, o que significa dizer que o réu faz jus a uma pena base mais rígida.
7. Tendo em vista as circunstâncias do art. 59 do Código Penal, todas elas devidamente justificadas, fixo a pena base do crime de bando ou quadrilha em (03) anos de reclusão no crime de furto qualificado, em 06 (seis) anos de reclusão e no de lavagem de dinheiro, em 09 (nove) anos de reclusão, perfazendo um total de 18 (dezoito) anos de reclusão, o que não havendo atenuantes nem agravantes, ou caso de aumento ou diminuição da pena, tenho-a como definitiva.
8. Afastada a possibilidade de concurso material no crime de lavagem de dinheiro e do aumento de pena previsto no § 4º, do art. 1º, da Lei 9.613/98.
9. Apelação do Réu parcialmente provida para afastar o concurso material do crime de lavagem de dinheiro e a Agravante insculpida no §4º, do art. 1º, da Lei nº 9.613/98 e Apelação do MPF provida para majorar as penas-base de cada crime.
10. Mantidas as disposições da sentença acerca da pena de multa, do regime de cumprimento de pena, de sua substituição, da perda dos bens e dos efeitos da sentença.
ACÓRDÃO
Vistos e relatados os autos em que são partes as acima indicadas, decide a Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5a. Região, por unanimidade, dar parcial provimento à apelação do Réu e dar provimento à Apelação do MPF, na forma do relatório e voto constantes dos autos, que ficam fazendo parte integrante do presente julgado. Recife/PE, 25 de janeiro de 2011. (data do julgamento) Desembargador Federal FRANCISCO BARROS DIAS, Relator
[Sessão: 25/01/2011 14:00] (M415) A Turma, à unanimidade, rejeitou as preliminares e, no mérito, deu parcial provimento ao apelo do réu para afastar o concurso material do crime de lavagem de dinheiro e a agravante insculpida no § 4º, do art. 1º, da Lei nº 9.613/98 e deu provimento à apelação do MPF para majorar as penas-base de cada crime, tornando definitiva a pena do réu em 18 (dezoito) anos de reclusão, tudo nos termos do voto do relator. Participaram do julgamento os Exmos. Srs. Desembargadores Federais Paulo Gadelha e Francisco Wildo Lacerda Dantas. Sustentou oralmente as razões de apelo o Exmo. Sr. Procurador Wagner Tenório Fontes, pelo BACEN (assistente de acusação) e o Exmo. Sr. Advogado João Marcelo Pedrosa, pela defesa.

SECRETÁRIO DEODATO RAMALHO INTEGRA GRUPO DE ESTUDO SOBRE O CONTRATO DA PREFEITURA COM A CAGECE.

Luizianne cria grupo que avaliará contrato
Fonte: O POVO Online/OPOVO/Politica
Em reunião no Paço Municipal, Luizianne Lins oficializou o corpo técnico que irá avaliar o custo-benefício de a Prefeitura manter o contrato com a Cagece. Prefeita quer conversar com Cid Gomes

Luizianne vem culpando a Cagece pela maioria dos buracos que se multiplicam pela cidade (MAURI MELO)
A prefeita Luizianne Lins (PT) criou ontem, no Paço Municipal, o grupo técnico que irá analisar o contrato que o município mantém com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) há 40 anos. À tarde, a petista se reuniu com a equipe, formada pelos responsáveis por cinco órgãos municipais.
Luizianne quer avaliar o custo-benefício de se manter o contrato com a empresa estatal e a possibilidade de rescindi-lo, caso o estudo comprove que esse contrato está resultando em ônus ao município. A rescisão contratual obrigaria a Prefeitura a criar uma empresa própria de esgotamento e abastecimento de água ou realizar licitação para a contratação de uma outra prestadora do serviço.
Embora já criado, o grupo ainda não definiu como irá executar o estudo. Por ora, a Autarquia de Regulação, Fiscalização e Controle dos Serviços Públicos de Saneamento Ambiental (ACFOR) está responsável por disponibilizar informações sobre o contrato aos demais integrantes do grupo.

“Nós vamos socializar os dados do contrato com os outros órgãos e, se necessário, pedir novos dados à Cagece”, explicou o presidente da ACFOR, José Nunes Passos.
Apesar do papel central da ACFOR, não ficou definido qual órgão ficará responsável pelo grupo. “Nós ainda vamos aprofundar esse estudo, fazendo o acompanhamento das obras de todos os projetos desenvolvidos pela Cagece no município, para ter uma visão mais global”, complementou Nunes. Não foi definida data para próxima reunião.
Na semana passada, representantes da Prefeitura e da Cagece realizaram a primeira visita técnica às obras da estatal que mais têm causado transtorno aos fortalezenses por conta das intervenções na malha viária da cidade. O encontro ocorreu após Luizianne ter culpado a Cagece por 60% dos buracos abertos nas ruas e avenidas de Fortaleza. A petista ameaçou romper o contrato com a empresa caso as obras não fossem concluídas rapidamente. Há, contudo, grandes intervenções na malha viária de Fortaleza provocadas por obras do próprio município, como as do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor).
O grupo

O grupo técnico criado por Luizianne é composto pelo presidente da ACFOR, José Nunes Passos pelos secretários do Meio Ambiente e Controle Urbano (Semam), Deodato Ramalho; de Planejamento e Orçamento (Sepla), Alfredo Pessoa; de Desenvolvimento Urbano e Infra-Estrutura (Seinf), Luciano Feijão; e também pelo coordenador das secretarias executivas regionais (SERs), Cícero Cavalcante.
No último domingo, Luizianne Lins disse que irá marcar audiência com o governador Cid Gomes (PSB) para discutir as relações políticas. Na semana passada, através de representantes, Cid pediu à petista que não tomasse nenhuma medida sobre a Cagece antes de conversar com ele. O governador chegou da Europa no último sábado.

ENTENDA A NOTÍCIA


Caso o grupo técnico da Prefeitura chegue à conclusão de que não vale a pena manter o contrato com a Cagece, o município irá criar uma empresa própria para os serviços de água e esgoto ou realizar nova licitação.

PARA ENTENDER

Após ser acusada por integrantes do Governo Cid Gomes de descaso com a malha viária da cidade, a prefeita Luizianne Lins (PT) culpou a Cagece, empresa estadual, por 60% dos buracos abertos nas ruas e avenidas da cidade.
Em seguida, a petista anunciou que criaria um grupo técnico para estudar a possibilidade de romper o contrato com a Cagece. Em reação, Cid mandou seus subordinados encerrar o bate-boca com a Prefeitura.
A Cagece atende a 149 dos 184 municípios cearenses. As outras 35 cidades possuem sistemas próprios e, até, empresas próprias de abastecimento de água e esgoto, como Iguatu, Quixeramobim, Canindé, Crato e Sobral.
Segundo Luizianne, Fortaleza é responsável por 70% do faturamento da Cagece. A Prefeitura de Fortaleza é ainda acionistada estatal, com 15,36% de participação.


VAMOS NÓS: Além das questões que envolvem a correta manutenção da malha viária de Fortaleza, é importante registrar que o Município de Fortaleza é quem garante os subsídios que a CAGECE concede à grande maioria dos municípios do interior do Ceará, já que esses municípios são deficitários.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

OITO ANOS DE PT NO GOVERNO: MAIOR INVESTIMENTO EM TODA A HISTÓRIA DO BRASIL NA ÁREA SOCIAL.



Financiamento habitacional da Caixa cresce 57% em 2010 . Que horrror, hein PSDB?
O financiamento habitacional da Caixa Econômica Federal, líder nesse segmento de crédito, totalizou o recorde de R$ 77,8 bilhões em 2010, 57,2% a mais do que em 2009, segundo os dados divulgados pelo banco nesta sexta-feira.
Com isso a carteira habitacional atingiu a marca histórica de R$ 108,3 bilhões de saldo, com alta de 53,6% em relação ao valor contabilizado em dezembro de 2009.
O resultado foi impulsionado pelo Minha Casa, Minha Vida, que, desde o início da operação, em abril de 2009, soma 1.005.028 unidades de imóveis financiados com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).
Nesta segunda fase, o programa federal destinado a imóveis novos, com Habite-se (certificado de conclusão de obra) emitido a partir de março de 2009, beneficia famílias com renda mensal de até R$ 4.900. O valor do imóvel pode chegar a R$ 170 mil, teto válido para as regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal.
Os recursos do FGTS financiam também moradias usadas, com os mesmos limites, mas, nesse caso, não há subsídio do governo federal para a compra da casa própria. Ao todo, foram liberados R$ 31 bilhões em 2010, usados em 389.675 moradias.
Já os financiamentos com recursos da caderneta de poupança, que não têm limite de renda nem do valor do imóvel, porém juros mais altos, atingiram R$ 27,7 bilhões em 203.931 unidades habitacionais.
LUCRO
O crédito habitacional impulsionou o resultado da Caixa, que fechou 2010 com lucro líquido de R$ 3,8 bilhões, alta de 25,5% ante o ano anterior.
O saldo total, considerando todas as operações de crédito, atingiu R$ 175,8 bilhões, com crescimento de 41,3% em 12 meses. Já as provisões para casos de inadimplência, totalizaram R$ 11,1 bilhões, com aumento de 25,9%.
Uol
VAMOS NÓS: Até a oposicionista Rede Globo, passada a campanha eleitoral, período em que fez todo tipo de jogo sujo contra a continuidade do projeto de mudança encabeçada pelo PT, jogou a toalha. Ontem apresentou o Globo Repórter exibiu ampla reportagem sobre o sucesso das políticas implementadas nos oito anos do governo Lula. Em todas as áreas examinadas o Brasil deu enorme salto no grau de seu desenvolvimento, particularmente no avanço das políticas de inclusão social, de diminuição das desigualdades e das oportunidades de trabalho, emprego e renda.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

100 ANOS DO MEU TIO/AVÔ APOLÔNIO CAVALCANTE MOTA: EM PLENA SAÚDE FÍSICA E MENTAL.

100 anos de APOLÔNIO CAVALCANTE MOTA / Trabalho e dignidade durante a vida; lucidez, saúde e simplicidade no centenário
Posted by Anderson Mota on fevereiro 8, 2011
Jornal Observatório dos Inhamuns.
Os cem anos de Apolônio Cavalcante Mota, completados em 08.02.2011,
serão celebrados hoje pela família Cavalcnate Mota,
em grande festa na cidade de Fortaleza

Com a mesma lucidez da juventude, autonomia e independência nos seus atos e um semblante revelador de que o tempo foi generoso com ele. Esse é Apolônio Cavalcante Mota, que completa hoje (09/02/2011) 100 anos de vida. A nossa costumeira jornada de baralho (Pif-Paf), na manhã de 27/01/11, foi trocada por uma conversa em que ele me contou fatos da sua vida e eu apenas relato. Depois, almoçamos um peixe de água doce, quando ele deu uma aula de como ‘espinhas’ não atrapalham na hora de comer.

Nasceu em 09 de fevereiro de 1911, na Fazenda Todos os Santos, distrito de Marruás, em Tauá (CE). Filho de Aureliano Cavalcante Mota e Amélia Carvalho Mota.Até os 28 anos de idade viveu nesta Fazenda, de propriedade de seus pais, numa época em que a grande maioria da população de nosso país habitava no campo.É o 6º de uma irmandade de onze (Abílio C. Mota; Alice; Ataciso; Agostinho; Isabel; Ademar; Mariquinha; Adauto; Absolon e Alaor). O primogênito da casa, Abílio, contava dez anos a mais do que ele e o caçula, Alaor, 12 anos a menos. Cresceu, portanto, na igual convivência de irmãos mais velhos e mais novos. A criança pacata e amiga de todos já foi um traço da personalidade de Apolônio. Teve mais dois irmãos: Laudi (sobrinha/irmã) e Edvar, também adotado por seus pais.

Brincadeiras ali não faltavam. No jeito da época; a natureza ditando as regras: não se tinham grandes preocupações e o clima agradável da serra de Santa Rita era tempero para uma vida saudável. A gente de lá parecia ignorar o tempo e por isso este não somava tanto para o futuro; só para contar depois. Quem conhece o passado do povo do Marruás sabe que a vida média dos seus filhos esteve à frente da nacional e principalmente da nossa sofrida região nordeste, durante o século XX.
O pai foi quem deixou essa vida mais cedo, em 1945, aos 66 anos de idade. Excluindo os irmãos mais novos, Alaor e Absolon, que faleceram aos 69 e 72 anos, os demais foram octogenários e nonagenários, inclusive sua mãe, que viveu até os 96 anos. Ainda hoje repartem com ele esse momento, Mariquinha , com 95 anos, Laudi, que já passou dos 80 e Edvar, na mesma pegada.Até o início de sua juventude, o ambiente conhecido por ele era o da sua terra, povoada pelos seus parentes, além de outras pessoas muito ligadas à família. Esses valores, família e berço, ficaram muito marcados em sua vida.O menino de 04 anos não entendeu bem, mas, já percebeu que alguma coisa andava errada naquele ano de 1915. Uma tremenda seca assolara o sertão e os efeitos foram devastadores. Foi um teste de resistência para o pequeno Apolônio e uma primeira lição de que a vida também nos faz provações. Uma passagem somente, porque a natureza logo depois voltou a sorrir e fazer par à vida alegre e divertida daquele garoto que aprendia também o caminho da roça e da igreja com os seus pais. O primeiro, diremos depois, não lhe agradou, mas, o segundo lhe fez devoto da padroeira Santa Rita. A mãe, bastante religiosa, cultuava também Nossa Senhora da Conceição.Freqüentou as primeiras letras nas escolinhas das professoras Mavinieux e Mirosa. A elas, deve o aprendizado de ler e escrever; ainda se recorda do estilo severo com que as lições eram repassadas, mas, isso não lhe deixou nenhum trauma. As duas foram sempre lembradas como pessoas importantes em sua vida.Tomar banho de açude e nadar no rio durante as enchentes; andar de canoa; pescar; caçar (tinha onça, gato maracajá, veado etc.), animais já extintos atualmente naquela área; criar pássaros em gaiolas e jogar com bola de bexiga no campinho da várzea; colher frutas nos pomares e perambular pelo engenho de rapadura e casa de farinha da fazenda era uma grande animação para todos os pequenos da casa.

Cedo, Apolônio e os irmãos começaram a ajudar o pai no trabalho. Recolher o gado para os currais, plantar e ajudar em tarefas domésticas fazia parte das suas atividades. Numa das vezes, manejando equipamentos do engenho, fraturou um dedo da mão (até hoje guarda essa marca) e este foi mais um motivo para alertá-lo de que sua vocação era outra, diferente da tradição de várias gerações de seus antepassados, dedicados à agropecuária. Fugiu desse modelo, apesar de permanecer nessa atividade até os 21 anos de idade.O ano era 1931 e Apolônio resolve conversar com os seus pais e pedir o apoio deles para fazer outra coisa. Pegou 03 vaquinhas suas e vendeu; montou uma pequena mercearia na Fazenda Todos os Santos, ao lado da sua casa. Mercearia Santa Rita, era como se chamava; logo virou uma loja de tecidos, também. 02 anos se passaram e o jovem comerciante prosperava.Em 1933, transferiu seu ponto comercial para Vila de Marruás; as condições já eram bem melhores. Para se transformar no maior comerciante do distrito foi rápido. Comprava a maior parte da produção de algodão, mamona, oiticica, milho e feijão dos produtores da redondeza e formava grandes lotes de ‘comboios de animais’ (jumentos e burros) para transportar até as cidades de Mombaça e Senador Pompeu; lá, vendia tudo aos usineiros, que beneficiavam os produtos para revenda. Os ‘comboieiros’ voltavam para Marruás com novas cargas de mantimentos para abastecer o comércio e suas próprias residências; um deles montava o cavalo de boa sela que havia conduzido o proprietário da Loja a Mombaça ou Senador. Aproveitando o caminho da capital, Apolônio pegava o trem em Senador Pompeu e se dirigia a Fortaleza; mais um dia gasto em viagem para chegar ao destino. Quando retornava, todas as novidades da capital, em linhos e brins, além de outros panos menos sofisticados, enchiam as malas e pacotes que superlotariam a sua loja.
O rapaz que trabalhava muito tinha tempo de sobra para freqüentar as grandes festas da região, começando por aquela que era uma das maiores – a da padroeira Santa Rita, no Marruás. Sempre vestido a caráter, em linho branco, manteve esse costume por várias décadas. Durante todo o ano não faltavam os grandes forrós e sambas, puxados a harmônicas (sanfonas), rebeca, pife e pandeiro. Era nestes momentos que o jovem simples, que nunca perdeu a humildade, escapava pelo orgulho de ser bastante cortejado pelas moçoilas e não desperdiçava a oportunidade de namorar as sertanejas mais formosas que se apresentavam como ‘presas’ fáceis para o jovem galanteador. Nessas ocasiões se apresentava sempre com seu cavalo famoso e de boa montaria. A juventude foi muito bem aproveitada; em duas ocasiões chegou a marcar noivado, mas, somente aos 28 anos (idade avançada para época) resolve se casar. Uma bela mulher, 10 anos mais nova do que ele, sua prima Ananias Cavalcante Mota, conquistou rápido o seu coração e não dava mais para esperar: no dia 14 de setembro de 1939, o seu amigo Padre Odorico, celebrou o matrimônio.Iniciava um novo ciclo da sua vida e neste momento se revelava mais uma vez o bom gosto do recém-casado: a primeira cama de casal de fábrica e montada com colchão moderno chegava a Marruás, juntamente com outros móveis de luxo, de bom estilo, para agradar a sua amada e confortar-lhe. Foram 70 anos de vida conjugal, compartilhados com muito amor e cumplicidade, sem jamais lhes faltar os valores sagrados de uma união abençoada por Deus. Espírito e matéria, sempre bem alimentados.Um fato que lhe traz recordação foi a chegada do primeiro carro à Vila de Marruás – um Jeep Willys, de propriedade do Padre Odorico. Um dia que ficou para a história na festa de Santa Rita, naquela longínqua quarta-feira de 22 de maio de 1941. Os curiosos não continham a sua admiração e deslumbramento. Foi a vez do Padre faturar – cada passeio da Igreja até à várzea, localizada a cerca de 500 metros (ida e volta), custava Rs 1$000 (mil réis). A sacola do dono do Jeep voltou cheia de cédulas e moedas para a cidade e somente o cofre da Matriz lhe superou em arrecadação.

Aflições fazem parte da vida terrena e o casal teve as suas. Ananias teve aborto do primeiro filho gerado; o segundo, faleceu com 01 ano e 04 meses e o terceiro, com 01 ano e 08 meses. Hora em que o casal apelou pela intercessão de Santa Rita e a graça foi alcançada. Em meio à promessa, a nominação dos filhos de Luis e Luiza. Nasceram em Marruás Luis e Luiza.E vieram mais 05 em Tauá: Luis Aureliano, Luiza Anélia, Luiza Amélia, Luiza Apolônia e Luis Enéas. Todos criados de maneira a que pudessem progredir na vida. Nada lhes faltava de bens materiais, nem de boa orientação.O casal resolveu fazer mais: o primeiro neto foi acolhido no seu nascimento como filho; Solano representa duplamente a condição de neto/filho ou de filho/neto. Portanto, foram 08.Retomemos o curso da sua história. Os primeiros rádios apareceram ali na década de 40, da marca Zenith e Apolônio comprou o seu. Ouviam-se notícias de uma guerra de que se tinha conhecimento somente pelo ‘chiado do noticiário’. Em 1945, parava-se de falar da guerra e a família era abalada com o falecimento do seu pai Aureliano Cavalcante Mota, no dia 03/09; o coração surpreendeu ao homem que ainda se mostrava com todo vigor, mas ele não acordou naquela madrugada. O comerciante de Marruás resolve enfrentar um novo desafio: em 1947, junta os pertences, coloca à venda e se muda para cidade de Tauá. A Casa Santa Rita agora tinha outras dimensões: fazia parte de uma nova realidade em que dividia com outros comércios similares o mercado local. Tudo correu muito bem e o prédio, antes alugado, foi adquirido em compra. A família, também, começava a crescer com o nascimento dos filhos.Nesta época, havia trocado a luz da lamparina pela do motor, que funcionava entre as 18 e 21 horas; para outras necessidades, dispunha da lâmpada petromatic (outra novidade), que dava boa claridade, necessitando apenas que fosse abastecida de gás. A década de 50 foi quando aconteceu o nascimento da maioria dos filhos e uma grande casa, no centro da cidade, foi comprada para acomodar bem a todos. Ainda hoje pertence à família.
Nos anos 60, a Casa Santa Rita vai se firmando cada vez mais como uma tradicional loja da cidade; os filhos crescendo e estudando; e outra novidade: a luz de Paulo Afonso – 24 horas de energia elétrica disponível para os moradores. Antes de seu final, nascem os primeiros netos.Alguns sobrinhos e sobrinhas vieram residir em sua casa para estudar – Vilmar, Zé Airton, Antonio Agostinho e Ananias (da tia Alice). Houve quem trabalhasse em sua loja, como Alaor Filho.
Foi um tempo de turbulências políticas. A ditadura impõe o bipartidarismo e os governistas se acomodam na Arena. A oposição ao regime tem o MDB como opção. Apolônio é um dos 25 membros fundadores do MDB de Tauá e se elege como presidente da executiva municipal. Em 1970, concorre à Prefeitura, mas, é derrotado nas urnas.
Uma nova década, outros acontecimentos. Perde o filho Luis, que prematuramente morre em acidente de trânsito. Um grande choque para toda a família – era um homem querido por muitos.Chegava o momento dos filhos precisarem estudar em Fortaleza. Para isso, compra um Apartamento, que se transforma em ‘casa de estudante’. A maioria concluiu a faculdade que desejou. Depois, foram os netos que receberam o mesmo apoio do avô. Muitos deles, com a mesma atenção dos filhos para prosseguirem na sua formação acadêmica.Anos 80; o trabalho continuava no mesmo ritmo para o jovem que montou a mercearia em Todos os Santos no ano de 1931; pouco tempo antes, um incêndio destruiu parte da loja, sendo o prédio desta feita reconstruído em 02 pavimentos.Enquanto isso, os netos cresciam. Essa foi uma geração ainda mais assídua às universidades. Em seguida, os bisnetos começaram a aparecer e hoje já são 16 entre nós. Os trinetos já andam próximos e deverão ser muito festejados.No ano de 2004, sua esposa Ananias passa a necessitar de cuidados médicos especializados e ele resolve lhe acompanhar e residir em Fortaleza. Não teve nenhuma dificuldade em se adaptar ao novo estilo de vida.Faltou dizer que durante os últimos 65 anos ela foi uma companheira de todas as horas, inclusive em suas atividades comerciais. Só neste momento, ele com 94 anos e ela com 84, deixaram de trabalhar. Depois de 73 anos ininterruptos do lojista, Apolônio troca os afazeres do comércio pela atenção exclusiva a sua querida Ananias, que agora necessitava de seu apoio para enfrentar a enfermidade que lhe acometeu. Esteve ao seu lado, sempre lhe dando carinho e atenção até os seus últimos dias, em junho/2009. Aos 98 anos, poder-se-ia imaginar que este senhor se deixasse abater por mais essa provação. Muito pelo contrário, ainda hoje tem o seu pensamento voltado para eventuais dificuldades de filhos e outras pessoas da família que precisem de sua ajuda.Para os que conhecem bem Apolônio Cavalcante Mota ficaria incompleto qualquer referência que não dissesse de 03 características muito pessoais suas de que não falamos até aqui: Um joguinho de baralho como hobby; a distração, que já lhe rendeu tantas histórias e o grande número de amigos que cultivou ao longo da vida.O baralho ainda hoje pratica, especialmente, com o seu genro Tarciso e, às vezes, com o sobrinho Anderson e outros amigos que lhe visitam. Da distração, tem-se conhecimento de ocasiões em que esqueceu até os nomes das namoradas, da esposa e de filhos; compensa isso com uma excepcional capacidade de guardar fisionomias. Quanto aos amigos, foram incontáveis e são tantos que não escorregaremos na injustiça de citá-los, pois deixaríamos de registrar muitas pessoas que mereciam ser destacadas.Poucas pessoas no mundo têm ou tiveram o privilégio de alcançar um centenário de vida com tanta lucidez e afabilidade. Hoje, tio Apolônio, o dia da tua família e de teus amigos pertence ao senhor e todos nos curvamos à sua grandeza. Que Deus nos dê luz para compreendermos que agir assim, no futuro, seja apenas uma obrigação nossa.

FAMÍLIA (em 08 gerações)

Pais: Aureliano Cavalcante Mota e Amélia Carvalho Mota.Avós:Vicente Ferreira Mota e Maria Linda Mota / Agustinho Silveira de Carvalho e Isabel Cavalcante de Carvalho.Bisavós: Victor Cavalcante de Carvalho e Luciana de Barros Mota de Carvalho; José da Motta Sousa e Maria de Sousa Mota; Manoel Nascimento Motta e Anna Angelim Motta.Irmãos: Abílio C. Mota; Alice; Ataciso; Agostinho; Isabel; Ademar; Mariquinha; Adauto; Absolon; Alaor; Laudi e Edvar.Esposa: Ananias Cavalcante Mota.Filhos: Luiza; Luis (in memorian); Luis Aureliano; Luiza Anélia; Luiza Amélia; Luiza Apolônia; Luis Enéas. Solano (neto/filho).Netos (18): Avelange, Luiza Ananias, Carlos Windson, Neire Lande, Solange, Sinolano (in memorian), Solano, Sinolândia, Cirlândia, Juliana, Leonardo, Danielle, Lívia, Jéferson, Jéssica, Eveline (in memorian), Victor, André Luis.Bisnetos (12): Vanessa, Francisco, Pedro França, Fernando, Greyce, Luis Neto, Avelange Jr., Lucas, Raul, Maria Clara, Gabriela, Jénifer

O PRESIDENTE-OPERÁRIO, QUE MAIS FEZ PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL, RECEBE O TÍTULO DE DOUTOR HONORIS CAUSA.

“O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu, na noite desta sexta-feira (28), o título de doutor honoris causa na Universidade Federal de Viçosa (UFV). O Conselho Superior da UFV decidiu agraciar o ex-presidente pela “permanente luta em defesa das causas sociais brasileiras”. Em seu primeiro discurso desde a posse de Dilma Rousseff, Lula disse que o título era o quarto diploma que recebia em sua vida, contando a conclusão do primário, o curso de torneiro mecânico pelo Senai e a diplomação como presidente da República.
“Quando olharem para mim com desdém porque eu não tenho diploma universitário, vou mostrar esta foto que tirei vestido como doutor honoris causa”, afirmou. Lula criticou seus antecessores, ao citar o “abandono” do ensino no País, a “lógica excludente desastrada do passado” e a “negligência com a formação profissional”. O ex-presidente declarou ter certeza de que Dilma consolidará o trabalho feito ao longo dos últimos oito anos e promoverá “novos e significativos avanços”.
A série de homenagens para Lula continuou dia 29, com a cerimônia de entrega de uma comenda pela prefeitura de Ubá.”
VEJAM AS RAZÕES DA MERECIDA HOMENAGEM... E OUTRAS MAIS VIRÃO!

Artigo do blog JD.

A verdade está na comparação: LULA X FHC

Normalmente as palavras se perdem ao vento... dessa maneira vou ponderar em cima de números que mostram as comparações fieis entre os dois governos... vamos lá:1. Gasto público: LULA: 468,7 bilhões de reais nos dois primeiros anos; FHC: 477,8 bilhões de reais entre 2001/2002;2. Despesa com o funcionalismo público: FHC: 96 bilhões de reais nos dois últimos anos de governo; LULA: 74,1 bilhões de reais nos dois primeiros anos;3. Salário mínimo: FHC: R$ 100,00 quando assumiu o governo e depois exatos quatro anos, o valor real foi reduzido para R$ 98,83, pois a inflação foi maior do que o reajuste salarial; LULA: o salário mínimo teve o maior aumento real dos últimos 40 anos, na casa dos 25,8% (já desconsiderando a inflação do período);4. Pesquisa CNI/IBOPE mostra que 61 % da população consideram o Governo LULA melhor que mo anterior;Outros números importantes: O Bolsa Família chega a 99,9% dos municípios brasileiros, garantindo ajuda financeira a mais de 11 milhões de famílias, crescimento de 2,3% de crescimento do pais... até mesmo os adversários garantiram em campanha a manutenção dos programas sociais de LULA... Bom meus caros, há muito mais dados... mas deixo para o interesse de você em estudar a história política do nosso grande Brasil...
COMO ESTAMOS FALANDO EM EDUCAÇÃO (TÍTULO DE DOUTOR HONORIS CAUSA), VEJAMOS OS DADOS NESSE CAMPO - ATÉ 25 DE OUTUBRO DE 2010...
Educação

Analfabetismo – a taxa de analfabetismo no Brasil caiu de 11,9% da população, em 2002, para 9,6% em 2009.

Ensino Técnico – o número de escolas técnicas cresceu 2 vezes e meia com o Governo Lula. Até o final de 2010, estarão funcionando 214 novas escolas. Serra e FHC só fizeram 11 escolas.

Prouni – com o Prouni, 748,7 mil jovens de baixa renda receberam bolsas de estudos para entrar no ensino superior. Com FHC e Serra, o Prouni não existia.

Universidades Federais – Lula e Dilma criaram 15 novas universidades e, até o final de 2010, terão inaugurado 124 novos campi, a maioria pelo interior do país. Serra e FHC só criaram 1 universidade, em função da criação do Estado de Tocantins.

Matrículas no ensino superior – o número de matrículas no ensino superior cresceu 63% entre 2003 e 2009, passando de 3,94 milhões para 6,44 milhões.

Educação especial – o número de salas de aula com recursos multifuncionais para atender alunos com deficiência passou de 250 em 2005 para 10.000 em 2009.
Orçamento do MEC – o orçamento total do MEC no Governo FHC (1995-2002) foi de R$ 214,8 bilhões. Já no Governo Lula (2002-2010), os recursos destinados ao Ministério somam R$ 317,2 bilhões.

Alunos inscritos no ENEM – no Governo FHC, 4,35 milhões de estudantes prestaram a prova do ENEM. Com o Governo Lula, a prova passou a ser utilizada como porta de entrada do Prouni e das Universidades Federais. Com isso, o número de estudantes que fizeram a prova foi para 21,93 milhões (2003-2009).
Alimentação escolar – o número de estudantes que recebem alimentação na escola saltou de 36,9 milhões, em 2002, para 47,0 milhões em 2009.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

CONVERSA COM A PRESIDENTA

A presidenta inicia, hoje, em vários jornais do Brasil a publicação da coluna "Conversa com a Presidenta", que será instrumento de interração com a população, no mesmo formtato que era adotado pelo ex-presidente Lula.

Vejam, abaixo, a primeira "Conversa com a Presidenta".

Alberto Estevão da Silva, 50 anos, líder comunitário de Arcoverde (PE) - A senhora irá fortalecer os projetos referentes à alimentação familiar e ampliar o trabalho realizado entre a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e as associações comunitárias, que recebem alimentos para doar? Como será essa parceria a partir de agora?

Presidenta Dilma - Essa parceria, que tem dado ótimos resultados, será fortalecida e ampliada. Nosso governo tem como prioridade absoluta a erradicação da extrema pobreza, o que inclui garantir segurança alimentar. O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA) desembolsou no ano passado R$ 800 milhões na compra de 540 mil toneladas de alimentos. Este ano, estamos planejando gastar R$ 2 bilhões, o que representa um aumento de 150%. A Conab compra e encaminha os alimentos - entre outros canais, através das associações comunitárias - aos que vivem em situação de insegurança alimentar. As entidades vão contar com uma quantidade maior de produtos e poderão atender muito mais pessoas. Os alimentos são distribuídos também aos 89 Restaurantes Populares e às 406 Cozinhas Comunitárias, que cobram, em média, R$ 1,50 por refeição. Os produtos são usados ainda para recompor os estoques estratégicos de segurança alimentar e nutricional. Nesse processo, que envolve vários ministérios e órgãos governamentais, contamos também com a participação das prefeituras em vários aspectos, incluindo identificação dos beneficiários finais, planejamento da compra e distribuição, conservação, educação alimentar e nutricional, etc. Na verdade, essa é uma tarefa que exige a participação de todos nós, do governo e da sociedade.

Isadora M. Bueno, professora, 42 anos, moradora de São Paulo (SP) - Quando o terremoto do Haiti completou um ano, a senhora prestou uma homenagem aos 18 militares brasileiros mortos na ocasião. Achei muito bonito o gesto. Mas como está a situação das suas famílias? Elas contam com algum apoio do governo?

Presidenta Dilma - Isadora, o Brasil jamais deixaria de amparar as famílias dos 18 militares vítimas do terremoto mais devastador dos últimos 100 anos. Eles estavam no Haiti contribuindo para pacificar as forças em conflito e prestando solidariedade a um povo que, mesmo antes da tragédia, já vivia uma situação de extrema gravidade. Em 31 de dezembro, o governo passado liberou a quantia de R$ 500 mil para cada família, atendendo ao que dispõe a Lei 12.257, encaminhada ao Congresso pelo então presidente Lula. Em relação às 16 crianças e adolescentes dependentes dos militares mortos, notificamos todas as famílias de que estamos concedendo bolsas de estudos no valor de R$ 510,00 mensais para cada uma. Para receber o benefício, as famílias devem procurar a unidade militar onde servia o titular e comprovar a matrícula, frequência e rendimento escolar até a conclusão dos ensinos fundamental e médio. Quanto aos que prosseguirem com os estudos, ingressando em curso superior, o benefício será estendido até os 24 anos de idade. O valor das bolsas será atualizado nas datas e de acordo com os mesmos índices dos benefícios do regime geral da Previdência Social.

Márcio Rogério Godoy Nóbrega, 38 anos, funcionário dos Correios de Bauru (SP) - Os Correios (ECT) pode ser privatizado? Pois a empresa está se tornando S/A. Nós, funcionários, não queremos que a empresa seja privatizada. No governo do PT ela corre esse risco?

Presidenta Dilma - Não, Márcio, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) não será privatizada. Aliás, essa medida nem está em cogitação. O que nós buscamos é o fortalecimento da ECT como instituição pública importante para o desenvolvimento do Brasil. Assim, você e os mais de 100 mil empregados que compõem o quadro dos Correios podem ficar tranquilos, pois as iniciativas para modernizar a empresa não passam por sua privatização. Ao contrário, buscam tornar a empresa ainda mais forte. A logística para a execução do serviço postal, que inclui infraestrutura, processos adequados, tecnologia de ponta e pessoal qualificado, é a chave do sucesso dos Correios. Além de enfrentar os novos desafios que se apresentam, a empresa se prepara para aproveitar as oportunidades de ampliação dos negócios, especialmente em segmentos como de logística integrada, serviços financeiros postais e correio digital. Essas oportunidades são potencializadas pela ampla rede de atendimento da empresa, pela confiança da população na instituição e pela capacidade empreendedora dos seus recursos humanos.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

EM SÃO PAULO,GOVERNADO PELOS TUCANOS, É MAIS BARATO VIAJAR DE AVIÃO DO QUE DE ÔNIBUS. GRAÇAS AO ZÉ PEDÁGIO E AO GERALDO TAXADÃO!

Do Blog Os Amigos da Presidente Dilma

Pedágios de Alckmin e Serra faz viagem de avião mais barata que de ônibus

Deu no Jornal da Tarde:

O jornal aliviou para os demo-tucanos, ao esquecer o peso, no custo rodoviário, dos pedágios extorsivos concedidos pelos governadores do PSDB, Gerlado Alckmin e José Serra.

OLHA AÍ A "COMPETÊNCIA" DO PSDB, DO ZÉ SERRA E DO ALCKIM NO GOVERNO DO ESTADO MAIS RICO DA FEDERAÇÃO.

Por Marilda Pansonato Pinheiro, presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo.


“A falência da Segurança Pública”

A reportagem especial do programa Fantástico, exibida no último domingo pela TV Globo, reforçou o flagrante descaso da Administração Pública com as delegacias brasileiras e também com os profissionais da Polícia Civil. Presos enjaulados, cenário de abandono e falta d e polícias é a realidade infeliz deste País.
O Sistema penitenciário beira a falência. É o verdadeiro caos. Não é por menos que virou motivo de preocupação do Conselho Nacional de Justiça, que trabalha há anos em mutirões carcerários para tentar amenizar as injustiças Brasil a fora.
Nós delegados também nos sentimos enjaulados e injustiçados pelo Sistema. Em 2008, o estado de São Paulo assistiu à maior greve da história da Polícia Civil (59 dias) com direito a conflito de Polícias Militares com Civis – um verdadeiro cenário de guerra. A reivindicação só teve fim com as promessas do Governo de melhoria salarial e de condições de trabalho, até hoje não cumpridas. Do último concurso para Delegado de Polícia, promovido em 2009, cerca de 40% dos delegados aprovados já migraram para outro estado em busca de salários dignos.
Existem, no estado, diversas delegacias à margem da tecnologia. Uma das principais ferramentas para investigações, a internet, não faz parte da realidade das delegacias que, para não prejudicarem os trabalhos, levam equipamentos de casa. Por isso, o descontentamento é crescente.
Os delegados de Polícia de São Paulo (o estado mais rico do País) têm a pior remuneração. O salário é menor que estados carentes como Piauí, Maranhão e Ceará. Esses profissionais também convivem com a realidade de dar suporte para 31% dos municípios do estado que não contam com delegados titulares. Como se não bastasse ainda enfrentam uma crise de plantões do Decap e do Demacro.
O Decap é o departamento que gerencia todas as delegacias da capital paulista, enquanto o Demacro responde pelas delegacias dos municípios que tangem a Grande São Paulo, como o ABC, Mogi das Cruzes, entre outros. Na teoria, os dois departamentos, e suas seccionais subordinadas, deveriam organizar cinco equipes de delegados plantonistas por delegacia, casando horários e cargas de serviço. Na prática, a situação é diferente.
Registro, ainda, que o estado de tensão que se estabeleceu na classe se deve pela falta de diálogo do Governo de São Paulo, que anos a fio promete melhorias estruturais nunca vistas pela Polícia Civil.
Uma das nossas principais reivindicações é a aprovação do Projeto de Reestruturação, que tramita há mais de 10 anos sem qualquer solução. Em São Paulo, atualmente são 14 carreiras. O projeto prevê a redução para sete carreiras policiais, o que poderá oxigenar e melhorar a estrutura da Polícia Civil. Contudo, a falta de diálogo construtivo com o Governo, que visa à reorganização, reestruturação e reengenharia da Polícia Civil — instituição que progressivamente vem sendo desprovida de investimentos, inclusive, no aspecto humano, definha-se dia-a-dia.
Estamos estarrecidos com a sensação de desamparo e nos sentimos impotentes para atender a população da maneira que merece.

*Marilda Personato Pinheiro é Presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (ADPESP).

VAMOS NÓS: O PSDB governa São Paulo, o estado mais rico do Brasil, há quase vinte (20) anos. Mário Covas, Geraldo Alckmim, Zé Serra, Alberto Goldman e agora Geraldo Alckmim novamente... Apesar de ser o estado carro-chefe da economia nacional são flagrantes os indicadores de fracasso das gestões tucanas. Na educação ficou famosa a frase do Zé Serra, quando governador de São Paulo, justificando os baixos índices da educação paulista com uma saída antinordestina, ou seja, atribuindo o fato à grande presença de nordestinos no estado. Infelizmente, a grande mídia aliada do tucanato não dá nenhum destaque a essa injustificável situação (o estado mais rico do país não avança na melhoria de vida da população).

sábado, 5 de fevereiro de 2011

DEODATO RAMALHO: SE VIVO, FARIA HOJE 80 ANOS. ETERNAS SAUDADES!

"Peço licença amigos

Eu vou fazer um mandato

Que tudo que eu escrever

Pode ler que é exato

Vou contar a história

Da vida do DEODATO"
Primeira estrofe do cordel feito pelo senhor João Pereira Lima
(João Cosmo) em homenagem póstuma no dia 06.08.1978,
dia do sepultamento de Deodato José Ramalho.

"DOR DA PERDA: Quando as lágrimas refletem a nossa saudade
tocada de esperança, os nossos amigos desencarnados
nos dizem que as lágrimas fazem a eles muito bem,
porque elas são luzes no caminho daqueles
que são lembrados com imenso carinho.
Mas quando as nossas lágrimas traduzem revolta de nossa
parte diante dos desígnios divinos, quando essas lágrimas
retratam rebeldia, elas prejudicam os desencarnados.
Tanto quanto prejudicam os encarnados."
(Chico Xavier)

BREVE BIOGRAFIA DE DEODATO JOSÉ RAMALHO

DEODATO JOSÉ RAMALHO, nasceu em Boa Viagem, no dia 05 de fevereiro de 1931.
Filho de Francisco Deoclécio Ramalho e Maria Letícia de Queiroz Ramalho. Pode-se dizer que também foi um felizardo, teve, na verdade, duas mães maravilhosas. A de sangue e a que o adotou como filho dileto, Francisca Ivani Citó Ramalho, segunda esposa do meu avô Deoclécio. Faleceu no dia 05 de agosto de 1978, aos 47 anos de idade. Casou-se em 27.07.1951, aos 20 anos de idade, com Maria Zélia Cavalcante Mota, depois Maria Zélia Cavalcante Ramalho, que, à época, contava apenas 17 anos de idade. Hoje, aos 77 anos e gozando plena saúde, reside em Fortaleza, mas mantém com Boa Viagem a mesma relação de amor com a terra de Nossa Senhora da Boa Viagem, regada com a feliz convivência com o marido durante os anos de casamento.
Agropecuarista, comerciante, em alguns períodos Coletor Estadual em Boa Viagem, do cargo tendo se afastado para se candidatar a prefeito em 1962, não mais retornando ao posto. Político por vocação. Muito jovem ingressou na militância política sob a liderança do seu grande amigo, então prefeito de Boa Viagem Delfino de Alencar Araújo. Quando caiu doente e já vislumbrava a sua partida, Delfino Alencar Araújo escreveu para Deodato José Ramalho lhe pedindo para "regar suas flores", assim chamano os seus correligionários. E assim Deodato Ramalho cumpriu a palavra empenhado o seu dileto amigo e líder político. Delfino, tal como Deodato Ramalho, eram admirados e amados pelo seu povo.

Deodato José Ramalho sempre teve muita dedicação por Boa Viagem e pelo seu povo. Não media esforços para ajudar a quem quer que fosse. Época em que praticamente tudo se resolvia fora de Boa Viagem (Fortaleza, Quixeramobim, Maranguape, entre outras). Deodato Ramalho conduzia doentes para Fortaleza, trabalhadores rurais para Quixeramobim, enfim, com sua presteza encaminhava as demandas dos mais humildes, quase sempre gastando do próprio bolso para amenizar a dor dos mais necessitados. Embora não fosse rico, saiu mais pobre da política do que nela entrou.

Correto, calmo, paciente, tranquilo, admirava as pessoas que tinham o dom da palavra em público. Sonhava em ter pelo menos um filho exercendo a profissão de advogado, que era a que mais o encantava.

Com sua esposa, Maria Zélia Cavalcante Ramalho, lutou pela educação de sua prole de 9 (nove) filhos.

Eleito vereador de Boa Viagem pela primeira vez em 03 de outubro de 1958, assumiu o mandato em 24 de março de 1959, cujo término se deu em 25 de março de 1963, não retornando à Câmara já que foi candidato a prefeito em 1962, cujo pleito disputou tendo José Vieira Filho, o Mazinho, como seu candidato a vice-prefeito. Nessa eleição foi eleito prefeito José Vieira da Costa, o Nezinho. Voltou a candidatar-se a prefeito, enfrentando o Mazinho, no pleito de 1962, tendo perdido a eleição por 220 votos.
Eleito novamente vereador em 15 de novembro de 1972, cumpriu o mandato que foi de 31 de janeiro de 1973 até 31 de janeiro de 1977; na eleição de 1976 voltou a se eleger vereador, desta feita tendo sido o vereador mais bem votado do município, apesar de uma campanha fransciscana e disputando com grandes forças econômicas de Boa Viagem que buscavam ser os mais votados, já que, na época, havia uma tradição de que o vereador mais bem votado seria eleito presidente da Câmara Municipal. Essa tradição foi quebrada naquela legislatura iniciada em 15 de novembro de 1976. Coisas normais da política, já que Deodato José Ramalho manteve-se fiel à sua linha de não integrar o grupo político então dominante liderado pelo seu ex-aliado e naquela altura adversário José Vieira Filho.
Foi amigo de todos, inclusive dos seus adversários políticos. Jamais guardou mágoas de quem quer que fosse. Dele se gostava de dizer que era capaz de tirar a própria roupa para socorrer quem estava nu; que era capaz de dar a outra face para quem o antes ofendera.
Amava sua terra, sua gente. Não deixou inimigos. Deixou uma legião de amigos, que, aos prantos, acompanharam o seu corpo à sepultura, como bem retratou aquela triste momento para a família e para Boa Viagem, o poeta popular, seu compadre, João Cosmo (João Pereira Lima), no cordel HOMENAGEM PÓSTUMA A DEODATO RAMALHO, cuja primeira estrofe está reproduzida no frontispício desta postagem.
Deodato José Ramalho e Maria Zélia Cavalcante Ramalho tiveram 10 (dez) filhos, sendo um falecido ainda bebê e outro já adulto.

Seus filhos:

Telma Cavalcante Mota, prima da esposa Maria Zélia, e desde cedo criado como filha pelo casal Deodato/Maria Zélia, secretária;

Domingos Francisco Cavalcante Ramalho, bancário e servidor público, nascido em 19.11.1953 e falecido em 2003;

Deodato José Ramalho Junior (o primeiro), nascido em 09.06.1954, e falecido no mesmo ano (meu anjo da guarda);

Deodato José Ramalho Junior, nascido em 09.06.1956, bancário, advogado, aposentado do Banco do Brasil, político, atualmente 1º de vereador por Fortaleza pelo Partido dos Trabalhadores - PT, atualmente secretário do Meio Ambiente e Controle Urbano de Fortaleza

Izabel Letícia Cavalcante Ramalho, nascida em 13.02.1959, farmacêutica e bio-química, servidora pública municipal e estadual, especialista em Biologia Molecular aplicada ao Diagnóstico Clínico; Especialista em biossegurança laboratorial e em Vigilância Epidemiologia e Análise Clínica, atualmente Coordenadora da Rede de Laboratócios Local e Regional - LACEN/CE;

José Carlos Cavalcante Ramalho, nascido em 28.12.1960, formado em ciências contábeis, gerente do Banco do Brasil em Fortaleza,

Ana Paula Cavalcante Ramalho Brilhante, nascida em 21.04.1964, enfermeira, mestre em Saúde Pública, servidora pública municipal e estadual, atualmente Coordenadora do Sistema Municipal de Saúde Escola do Município de Fortaleza;

Paulo Roberto Cavalcante Ramalho, nascido em 13.01.1966, economiário (funcionário da Caixa Econômica Federal), formado em administração;

Lilian Cristina Ramalho Johannesson, nascida em 18.09.1968, fonoaudióloga e empresária em Fortaleza;

Flávia Maria Cavalcante Ramalho, nascida em 03.11.1976, enfermeira, especialista em Saúde da Família e em Nefrologia e Gestão de Serviço de Saúde.

Deodato José Ramalho,
após 32 anos e meio de sua partida para a outra dimensão da vida, permanece vivo no coração e na mente de sua viúva, Maria Zélia Cavalcante Ramalho, de seus 08 (oito) filhos, de seus 17 (dezessete) netos e 02 bisnetos (estes últimos não chegou a conhecer) e tantos quantos, em Boa Viagem e fora daqui, tiveram o privilégio de conhecê-lo.