segunda-feira, 2 de julho de 2012

JUSTÍSSIMA HOMENAGEM.


A homenageada não poderia ser mais bem escolhida. Mais do que a palavra de um neto apaixonado falo pelo exemplo de vida dela. Sempre solidária com todos, especialmente com os mais humildes. Te amo eternamente vovó!

"Pessoal hoje estamos aqui reunidos para presenciar à homenagem que será prestada pela Prefeitura Municipal de Boa Viagem à dona Ivaní do Sr Deoclécio Ramalho. Diante deste acontecimento não poderíamos deixar de apresentar um pouco da sua vida.

Francisca Ivani Citó Ramalho, conhecida como dona Ivaní do seu Deoclécio, nasceu em Tauá em data de 08 de fevereiro de 1924, oriunda de uma família de muitos irmãos e irmãs. Desde cedo prontificou-se como uma moça de forte personalidade, o que lhe fez se tornar uma espécie de timoneira da família Carvalho Citó.
Tendo sempre levado uma vida muito saudável veio a falecer em data de 27 de outubro de 2006, vítima de acidente de carro no município de Morada Nova, aos 82 anos de idade.
Do primeiro casamento com José Benevides, ainda muito jovem, teve uma filha, Ana Amélia Martins Mendes. Porém enviuvou muito cedo, vindo a casar-se com Francisco Deoclécio Ramalho, conhecido fazendeiro de Boa Viagem, também viúvo e com onze filhos do primeiro casamento. Apesar de jovem e com uma filha pequena de seu primeiro casamento, iniciou sua nova vida em Boa Viagem como dedicada dona de casa, se entregando com desvelo à sua nova família. Com Deoclécio Ramalho teve cinco filhos, Maria José Citó Ramalho, Maria Mazzarello Citó Ramalho, Antônio Citó Ramalho (Totonho), José Williams Citó Ramalho e Juvenília Maria Ramalho_Rolim.
Dona Ivaní sempre participou ativamente da vida comunitária de Boa Viagem, especialmente nas atividades da igreja católica, a quem dedicava boa parte de seu tempo, sendo presença marcante nas obras de caridade, na linha afirmativa da ação aliada com a oração. Amiga das pessoas mais humildes e com elas sempre solidária, gostava de ajudar a todos que a procuravam. De temperamento forte, acompanhava as atividades das fazendas da família, ao tempo em que ajudava na educação e encaminhamento da numerosa prole, primeiro dos onze filhos de seu marido e depois dos seus seis filhos. Ainda, quanto a educação , podemos exaltá-la, numa grande iniciativa quando trouxe para Boa Viagem o colégio das Irmãs Josefinas, disponibilizando a própria casa onde residia para o funcionamento do colégio, e com seu espírito humanitário, pensando única e exclusivamente, contribuir com o desenvolvimento cultural de Boa Viagem. Espirituosa e fervorosa praticante da religião católica, sempre foi presença destacada nas manifestações e atividades paroquiais, tendo sido, invariavelmente, próxima a todos os sacerdotes dirigentes da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem. Amava profundamente Boa Viagem e sua gente, mesmo com a morte de seu Deoclécio não se ausentou da terra em que ela escolheu para ser adotada. Destaque ainda, como uma das incentivadoras da criação da Associação dos Filhos e Amigos de Boa Viagem."

4 comentários:

Anônimo disse...

Nossa cultura já é muito "boa" imagina com essa menina filha do prefeito brincando de ser secretaria. ABSURDO! NEPOTISMO!

Amâncio José disse...

Relembrar é viver e aqui quero prestar também a minha homenagem com essa feliz lembrança da Dona Ivaní. Na campanha de 2000 quando fui candidato a prefeito de Boa Viagem, estava eu na Rua da Igreja Católica fazendo corpo a corpo pedindo voto. Até então não conhecia a Dona Ivaní. Me dirigi a uma senhora vestida de branco e pedi o voto a ela. Não sabia que era a própria Dona Ivaní. Ela segurou na minha mão e me disse: "você acha que eu estou fazendo o que por aqui meu filho? Pedindo voto para você". E retirou um pacote de "santinhos" do bolso e me chamou para apresentar a umas amigas que estavam com ela. Aquele ato me deixou tão feliz e crente que Boa Viagem tem jeito, pois uma Senhora naquela idade e daquela envergadura social que poderia muito bem está cuidando dos netos ou outros afazeres estava ali fazendo a minha modesta campanha.

Ao prestar essa homenagem o povo de Boa Viagem faz o reconhecimento a uma mulher que em vida foi exemplo de humildade e consciência cidadã.

Anônimo disse...

Sabe por que Boa Viagem esta assim? Por culpa nossa!
Preferimos nos manter a par do fútil em favor de nos mantermos conscientes das agruras do município!

"Quero mais pão, quero mais circo!"

Vamos acordar?!!!!!
...

Anônimo disse...

"Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você;
quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada."

(Ayn Rand, filósofa russo-americana)