quinta-feira, 30 de setembro de 2010

PARECE QUE CHEGOU A HORA TASSO!!!


Vox Populi: Tasso, 46%, Eunício, 44%, e Pimentel, 43%
Pelo Governo, Cid Gomes (PSB) mantém 54% das intenções de voto e pode vencer no primeiro turno
30.09.2010 00:22
CompartilharEnviarImprimirCorrigir-+Mudar tamanhoPesquisa Vox Populi divulgada na noite desta quarta-feira pelo portal iG mostra empate triplo na corrida pelo Senado no Ceará. De acordo com a sondagem, Tasso Jereissati (PSDB) tem 46% das intenções de voto, contra 44% de Eunício Oliveira (PMDB) e 43% de José Pimentel (PT). Há empate por causa das possíveis variações decorrentes da margem de erro, de 3,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Pelo Governo do Estado, segundo o Vox Populi, o governador e candidato à reeleição Cid Gomes (PSB) lidera e pode vencer ainda no primeiro turno, com 54% das intenções de voto, contra 19% de Lúcio Alcântara (PR) e 12% de Marcos Cals (PSDB).

A pesquisa foi realizada no dia 24 de setembro, com 800 eleitores, e registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 32.967/2010 e no Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) com o número 59.370/2010.

>> Mais informações na edição desta quinta-feira do jornal O POVO.


VAMOS NÓS: Dado importante: a pesquisa é do dia 24.09.2010. Como o candidato do PSDB/FHC vem caindo algo em torno de 4% a cada pesquisa, é possível que já tenhamos um quadro diferente.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

INACREDITÁVEL! IRRESPONSABILIDADE DE QUEM PATROCINA CANDIDATURA COMO A DA ESPOSA DO RORIZ PARA GOVERNAR A CAPITAL DO PAÍS. ASSISTAM PARA ACREDITAR!

Conheça Weslian Roriz, a candidata do Serra no DF
29 de setembro de 2010 às 15:11
O tucano José Serra tem candidata ao governo do Distrito Federal, o nome dela é Weslian Roriz, esposa de Joaquim Roriz, que renunciou da candidatura por conta de seu processo de ficha suja não ter sido liberado no STF.
Assista os dois vídeos da candidata do Serra no debate de ontem da Globo.
Serra a apóia para ser a governadora do Distrito Federal.
Como diz o Paulo Henrique Amorim, Serra é um "jênio". Ele quer eleger Índio da Costa como seu vice. E Weslian Roriz, que você pode conhecer melhor nos vídeos abaixo, para governar a capital federal do país.
Só vendo para acreditar!!!

PESQUISA IBOPE: DUCHA DE ÁGUA FRIA NA CAMPANHA DO SERRA. DILMA 50% X 27% DE SERRA. PT É PARTIDO PREFERIDO DO POVO BRASILEIRO. 27% CONTRA 5% DO PSDB.


Pesquisa
CNI/Ibope: Com 50%, Dilma se mantém estável e venceria eleição no 1º turno. Serra tem 27% e Marina 13%
Publicada em 29/09/2010 às 09h48m André de Souza
BRASÍLIA - Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira mostra que a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, se mantém estável e com 50% das intenções de voto venceria no primeiro turno se a eleição fosse hoje. De acordo com o levantamento, o candidato do PSDB, José Serra, caiu um ponto e agora tem 27% enquanto Marina Silva, do PV, subiu um ponto e soma 13%. Os outros candidatos somam 1%. Votos brancos e nulos somam 4%. Indecisos também têm 4%. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
Na última pesquisa Ibope/TV Globo divulgada na sexta-feira, Dilma também tinha 50% das intenções de voto enquanto Serra tinha 28% e Marina 12%. Na terça-feira, o Datafolha divulgou uma pesquisa em que a petista tinha caído três pontos percentuais, mas liderava a corrida presidencial com 46% das intenções de voto, contra 27% do tucano e 13% de Marina.
Na pesquisa espontânea em que não é apresentada uma lista de candidatos aos eleitores, Dilma tem 44% das intenções de voto, Serra 21% e Marina Silva 10%. O presidente Lula, que não é candidato, aparece com 1%. Outros nomes juntos também somam 1%. Brancos e nulos são 5% e indecisos 18%.
Para 93% dos entrevistados Dilma é candidata apoiada pelo presidente Lula, enquanto 1% acredita que o candidato oficial é Serra. Não souberam ou não responderam 6%. Em junho, 73% sabiam que Dilma era apoiada por Lula.
Dilma venceria em duas simulações de segundo turno
Numa simulação de segundo turno, Dilma venceria seus dois principais adversários. Se o rival fosse Serra, ela teria 55% contra 32% do tucano. Votos brancos e nulos somam 7%. Indecisos, 5%. Contra Marina, Dilma teria 56% e a candidata do PV, 29%. Brancos e nulos somam 8% e indecisos, 6%.
Numa hipótese de segundo turno entre Serra e Marina, o tucano teria 43% das intenções de voto contra 35% de Marina. Brancos e nulos somam 12% e indecisos 11%.
Serra é o candidato mais rejeitado pelo eleitor
A pesquisa também apurou o índice de rejeição dos candidatos. Serra é rejeitado por 34% dos eleitores enquanto 28% rejeitam o nome de Marina e 27% o de Dilma.
Ainda segundo a pesquisa, 47% dos entrevistados votariam em alguém apoiado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva enquanto 8% preferem um nome da oposição. Outros 41% dizem que não vão levar isso em conta e 4% não souberam ou não responderam.
PT é o partido preferido dos entrevistados
O levantamento do Ibope também mostrou que o partido preferido dos brasileiros é o PT. Segundo a pesquisa, 27% dos brasileiros gostam do partido, percentual só superado pelos que dizem não ter preferência nenhuma, que é de 48%.
PMDB e PSDB têm a preferência de 5% dos brasileiros, seguido pelo PV com 3% e PDT com 2%. Os demais partidos não pontuaram. Seis por não souberam ou não opinaram.
A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Ibope ouviu 3.010 pessoas em 191 municípios entre os dias 25 e 27 de setembro. Ela está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número 33162/2010

PESQUISAS DIÁRIAS INDICAM VITÓRIA FOLGADA DE DILMA NO PRIMEIRO TURNO.


Tracking Vox/Band/iG: Dilma tem 55% dos votos válidos
A cinco dias da eleição, petista tem cinco pontos a mais do que precisaria para vencer no primeiro turno
iG São Paulo 28/09/2010 17:21

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, aparece, pelo terceiro dia consecutivo, com 49% das intenções de voto no tracking Vox Populi/Band/iGpublicado nesta terça-feira. A cinco dias da eleição, Dilma tem pouco mais de 55% dos votos válidos, cinco pontos além do que precisaria para vencer no primeiro turno.
Para encerrar a disputa logo na primeira etapa de votação, Dilma precisaria ter a maioria absoluta dos votos válidos, ou seja, 50% mais um. Na conta, são desconsiderados os votos brancos e nulos.
O atual cenário dá a Dilma uma vantagem de 10 pontos sobre a soma das intenções de voto contabilizadas por seus adversários. No tracking, José Serra(PSDB) oscilou um ponto para cima e agora tem 25%. Já a presidenciável do PV, Marina Silva, que um dia antes contava com 13%, agora soma 12% - o que interrompe uma sequência de três dias consecutivos de crescimento. Outros candidatos obtiveram 2%. Brancos e nulos somaram 4% e indecisos 8%. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.
· Compare o desempenho de Dilma e Serra no Twitter
· Compare o desempenho de Dilma e Marina no Twitter
· Dilma pede empenho na reta final
· Candidatos fazem hoje última rodada de debates
· Poder Online: 2º turno sai se Dilma perder 8 mi de votos
Apoiada pela alta popularidade do presidente Lula na região, Dilma tem o melhor desempenho entre eleitores do Nordeste: 65%. Na região, no entanto, a ex-ministra da Casa Civil já contou com até 73% das preferências. Na mesma região, Serra teria hoje 15% dos votos, de acordo com a projeção, e Marina, 7%.
Dilma ainda lidera em todas as regiões, mas encontra seu pior cenário no Sudeste, onde ela conta com 42% das intenções de voto – contra 27% de Serra e 16% de Marina. Já o candidato tucano tem mais votos no Sul (34%), contra 45% de Dilma no local.
Na pesquisa espontânea, quando os nomes dos candidatos não são apresentados, a petista aparece à frente, com 43% das citações (um ponto a mais que na pesquisa anterior); Serra tem 22% e Marina, 9%. O tracking Vox/Band/iG conta com 2.000 entrevistas, sendo que um quarto dessa amostra é renovada diariamente.

QUEDA LIVRE DE TASSO NAS PESQUISAS EMBOLA A DISPUTA PARA O SENADO.


A decisão no silêncio da urna
28.09.2010 03:00

A nova rodada de pesquisas O POVO-Datafolha mostra que a eleição para a escolha dos dois senadores que vão representar o Ceará se mantém completamente aberta. Tasso 44%, Eunício 41% e Pimentel 36%. Pelos números coletados pelo instituto, qualquer prognóstico sobre o resultado final passa a ser um exercício de adivinhação. Há dois pontos novos na pesquisa. Primeiro, o índice dos eleitores que afirmam não saber em quem votar para uma das vagas e também para as duas vagas disponíveis. Os números da indecisão continuam altos, fator que empurra a decisão para até a hora do voto. Nada mais, nada menos que 35% afirmam que não sabem em quem votar “para uma das vagas” e 22% dizem que não sabem em que votar “para as duas vagas”. Como a diferença entre os candidatos é muito pequena, pode-se afirmar que o jogo vai ser decidido, digamos, na boca da urna. Outra novidade da pesquisa: dessa vez, em quadro separado, o Datafolha levou em conta a forma de cálculo da Justiça Eleitoral. Ou seja, descartam-se os votos brancos, nulos e indecisos e leva-se em conta apenas os votos válidos com um universo de 100%. O resultado: Tasso 33%, Eunício 31% e Pimentel 27%. Atentem que a pesquisa foi finalizada no dia 24 passado. Portanto, já se foram quatro dias. De lá para cá, certamente já ocorreram novas variações. O processo deverá se manter dinâmico até a hora em que o eleitor irá digitar seu voto na urna eletrônica.

ENTRE OS VOLÚVEIS E INDECISOS

A situação não é confortável para nenhum dos candidatos. O resultado final pode acolher qualquer cruzamento de candidaturas. Pode dar Tasso e Eunício. Pode ser Pimentel e Tasso. Pode dar Eunício e Pimentel. O problema maior do tucano é a tendência até aqui ininterrupta de queda. O senador começou com 59% das intenções de voto no Datafolha finalizado em 15 de julho passado. Dois meses e dez dias depois, o tucano passou para 44%. São 15 pontos percentuais a menos. No mesmo período, Eunício Oliveira (PMDB) saiu de 24% para 41%, subindo 17 pontos. Pimentel passou de 24% para 36%, crescendo 12 pontos. Ou seja, uma queda gradual do tucano e, numa proporção aproximada, uma subida gradual de seus dois concorrentes diretos. Pelo quadro, pode-se afirmar que a sorte dos candidatos está nas mãos dos indecisos e dos eleitores que mantêm seu voto volúvel. E eles são muitos. Segundo o Datafolha, 17% dos eleitores (aqui, contados em dobro porque cada um tem direito a dois votos) ainda declaram que podem mudar de escolha. Portanto, a semana será decisiva. Cada ato dos candidatos será atentamente observado pelos eleitores. As redes de apoios dos candidatos ganharam um peso muito importante no final da campanha.

DE OLHO NOS GRÁFICOS

O que talvez ajude Tasso Jereissati na disputa de senador é a curva descendente da candidatura de Cid Gomes verificada na pesquisa O POVO-Datafolha. Como se sabe, o voto de senador costuma se concretizar muito colado ao voto de governador. Não foi à toa que a campanha do PSDB começou a usar ostensivamente a denúncia da revista Veja. Então, atingindo Cid os tucanos buscam atingir também as candidaturas dos senadores da aliança do governador. Mesmo com um indicativo ainda folgado a favor de Cid Gomes (52%), a última semana de campanha passou a ser decisiva. Atentem: foram duas semanas de intervalo entre as duas pesquisas. 14 dias. Na consulta anterior, realizada entre os dias 09 e 10 passados, a oposição totalizava 25% das intenções de votos. Naquele momento, 14% dos eleitores afirmavam ainda não saber em quem votar. Na nova pesquisa, a oposição somada passou a deter 32% das intenções de voto. Agora, 12% se dizem indecisos. A diferença entre Cid e seus opositores era de 33 pontos percentuais. Agora, a diferença diminuiu para 20 pontos. Trocando em miúdos, Cid Gomes começou a cair e a oposição a subir. Mantida tal tendência até o dia da eleição, em tese, o fato pode ajudar a estabilizar a curva negativa de Tasso.

Fábio Campos

O POVO

terça-feira, 28 de setembro de 2010

A "LIBERDADE" DE IMPRENSA QUE A VEJA DEFENDE.


O mensalão da Editora Abril
Daniel Bezerra, editor geral
Numa minuciosa pesquisa aos editais publicados no Diário Oficial, o blog descobriu o que parece ser um autêntico “mensalão” pago pelo tucanato ao Grupo Abril e a outras editoras.

Veja algumas das mamatas:
- DO [Diário Oficial] de 23 de outubro de 2007. Fundação Victor Civita. Assinatura da revista Nova Escola, destinada às escolas da rede estadual. Prazo: 300 dias. Valor: R$ 408.600,00. Data da assinatura: 27/09/2007. No seu despacho, a diretora de projetos especial da secretaria declara ‘inexigível licitação, pois se trata de renovação de 18.160 assinaturas da revista Nova Escola’.
- DO de 29 de março de 2008. Editora Abril. Aquisição de 6.000 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$ 2.142.000,00. Data da assinatura: 14/03/2008.
- DO de 23 de abril de 2008. Editora Abril. Aquisição de 415.000 exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 30 dias. Valor: R$ 2.437.918,00. Data da assinatura: 15/04/2008.
- DO de 12 de agosto de 2008. Editora Abril. Aquisição de 5.155 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$ 1.840.335,00. Data da assinatura: 23/07/2008.
- DO de 22 de outubro de 2008. Editora Abril. Impressão, manuseio e acabamento de 2 edições do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 4.363.425,00. Data daassinatura: 08/09/2008.
- DO de 25 de outubro de 2008. Fundação Victor Civita. Aquisição de 220.000 assinaturas da revista Nova Escola. Prazo: 300 dias. Valor: R$ 3.740.000,00. Data da assinatura: 01/10/2008.
- DO de 11 de fevereiro de 2009. Editora Abril. Aquisição de 430.000 exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 2.498.838,00. Data da assinatura: 05/02/2009.
- DO de 17 de abril de 2009. Editora Abril. Aquisição de 25.702 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 608 dias. Valor: R$ 12.963.060,72. Data da assinatura: 09/04/2009.
- DO de 20 de maio de 2009. Editora Abril. Aquisição de 5.449 assinaturas da revista Veja. Prazo: 364 dias. Valor: R$ 1.167.175,80. Data da assinatura: 18/05/2009.
- DO de 16 de junho de 2009. Editora Abril. Aquisição de 540.000 exemplares do Guia do Estudante e de 25.000 exemplares da publicação Atualidades – Revista do Professor. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 3.143.120,00. Data da assinatura: 10/06/2009.

Negócios de R$ 34,7 milhões.
Somente com as aquisições de quatro publicações “pedagógicas” e mais as assinaturas da Veja, o governo tucano de José Serra transferiu, dos cofres públicos para as contas do Grupo Civita, R$ 34.704.472,52 (34 milhões, 704 mil, 472 reais e 52 centavos). A maracutaia é tão descarada que o Ministério Público Estadual já acolheu representação do deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e abriu o inquérito civil número 249 para apurar irregularidades no contrato firmado entre o governo paulista e a Editora Abril na compra de 220 mil assinaturas da revista Nova Escola.
Esta “comprinha” representa quase 25% da tiragem total da revista Nova Escola e injetou R$ 3,7 milhões aos cofres do ‘barão da mídia’ Victor Civita. Mas este não é o único caso de privilégio ao Grupo Abril.

O tucano Serra também apresentou proposta curricular que obriga a inclusão no ensino médio de aulas baseadas nas edições encalhadas do ‘Guia do Estudante’, outra publicação do grupo. Essa é a tão propalada "liberdade de expressão"Que a mídia defende.

CARTA AO POVO BRASILEIRO.


Juristas subscrevem "Carta ao Povo Brasileiro" em 27 setembro 2010 às 22:30
Carta ao Povo Brasileiro
Em uma democracia, todo poder emana do povo, que o exerce diretamente ou pela mediação de seus representantes eleitos por um processo eleitoral justo e representativo. Em uma democracia, a manifestação do pensamento é livre. Em uma democracia as decisões populares são preservadas por instituições republicanas e isentas como o Judiciário, o Ministério Público, a imprensa livre, os movimentos populares, as organizações da sociedade civil, os sindicatos, dentre outras.
Estes valores democráticos, consagrados na Constituição da República de 1988, foram preservados e consolidados pelo atual governo. Governo que jamais transigiu com o autoritarismo. Governo que não se deixou seduzir pela popularidade a ponto de macular as instituições democráticas. Governo cujo Presidente deixa seu cargo com 80% de aprovação popular sem tentar alterar casuisticamente a Constituição para buscar um novo mandato. Governo que sempre escolheu para Chefe do Ministério Público Federal o primeiro de uma lista tríplice elaborada pela categoria e não alguém de seu convívio ou conveniência. Governo que estruturou a polícia federal, a Defensoria Pública, que apoiou a criação do Conselho Nacional de Justiça e a ampliação da democratização das instituições judiciais.
Nos últimos anos, com vigor, a liberdade de manifestação de idéias fluiu no País. Não houve um ato sequer do governo que limitasse a expressão do pensamento em sua plenitude.
Não se pode cunhar de autoritário um governo por fazer criticas a setores da imprensa ou a seus adversários, já que a própria crítica é direito de qualquer cidadão, inclusive do Presidente da República.
Estamos às vésperas das eleições para Presidente da República, dentre outros cargos. Eleições que concretizam os preceitos da democracia, sendo salutar que o processo eleitoral conte com a participação de todos. Mas é lamentável que se queira negar ao Presidente da República o direito de, como cidadão, opinar, apoiar, manifestar-se sobre as próximas eleições. O direito de expressão é sagrado para todos – imprensa, oposição, e qualquer cidadão. O Presidente da República, como qualquer cidadão, possui o direito de participar do processo político-eleitoral e, igualmente como
qualquer cidadão, encontra-se submetido à jurisdição eleitoral. Não se vêem atentados à Constituição, tampouco às instituições, que exercem com liberdade a plenitude de suas atribuições.
Como disse Goffredo em sua célebre Carta: “Ao povo é que compete tomar a decisão política fundamental, que irá determinar os lineamentos da paisagem jurídica quese deseja viver”. Deixemos, pois, o povo tomar a decisão dentro de um processo eleitoral legítimo, dentro de um civilizado embate de idéias, sem desqualificações açodadas e superficiais, e com a participação de todos os brasileiros.
ADRIANO PILATTI - Professor da PUC-Rio
AIRTON SEELAENDER - Professor da UFSC
ALESSANDRO OCTAVIANI - Professor da USP
ALEXANDRE DA MAIA - Professor da UFPE
ALYSSON LEANDRO MASCARO - Professor da USP
ARTUR STAMFORD - Professor da UFPE
CELSO ANTONIO BANDEIRA DE MELLO - Professor Emérito da PUC-SP
CEZAR BRITTO - Advogado e ex-Presidente do Conselho Federal da OAB
CELSO SANCHEZ VILARDI - Advogado
CLÁUDIO PEREIRA DE SOUZA NETO - Advogado, Conselheiro Federal da OAB e
Professor da UFF
DALMO DE ABREU DALLARI - Professor Emérito da USP
DAVI DE PAIVA COSTA TANGERINO - Professor da UFRJ
DIOGO R. COUTINHO - Professor da USP
ENZO BELLO - Professor da UFF
FÁBIO LEITE - Professor da PUC-Rio
FELIPE SANTA CRUZ - Advogado e Presidente da CAARJ
FERNANDO FACURY SCAFF - Professor da UFPA e da USP
FLÁVIO CROCCE CAETANO - Professor da PUC-SP
FRANCISCO GUIMARAENS - Professor da PUC-Rio
GILBERTO BERCOVICI - Professor Titular da USP
GISELE CITTADINO - Professora da PUC-Rio
GUSTAVO FERREIRA SANTOS - Professor da UFPE e da Universidade Católica de Pernambuco
GUSTAVO JUST - Professor da UFPE
HENRIQUE MAUES - Advogado e ex-Presidente do IAB
HOMERO JUNGER MAFRA - Advogado e Presidente da OAB-ES
IGOR TAMASAUSKAS - Advogado
JARBAS VASCONCELOS - Advogado e Presidente da OAB-PA
JAYME BENVENUTO - Professor e Diretor do Centro de Ciências Jurídicas da
Universidade Católica de Pernambuco
JOÃO MAURÍCIO ADEODATO - Professor Titular da UFPE
JOÃO PAULO ALLAIN TEIXEIRA - Professor da UFPE e da Universidade Católica de
Pernambuco
JOSÉ DIOGO BASTOS NETO - Advogado e ex-Presidente da Associação dos
Advogados de São Paulo
JOSÉ FRANCISCO SIQUEIRA NETO - Professor Titular do Mackenzie
LENIO LUIZ STRECK - Professor Titular da UNISINOS
LUCIANA GRASSANO - Professora e Diretora da Faculdade de Direito da UFPE
LUÍS FERNANDO MASSONETTO - Professor da USP
LUÍS GUILHERME VIEIRA - Advogado
LUIZ ARMANDO BADIN - Advogado, Doutor pela USP e ex-Secretário de Assuntos
Legislativos do Ministério da Justiça
LUIZ EDSON FACHIN - Professor Titular da UFPR
MARCELLO OLIVEIRA - Professor da PUC-Rio
MARCELO CATTONI - Professor da UFMG
MARCELO LABANCA - Professor da Universidade Católica de Pernambuco
MÁRCIA NINA BERNARDES - Professora da PUC-Rio
MARCIO THOMAZ BASTOS - Advogado
MARCIO VASCONCELLOS DINIZ - Professor e Vice-Diretor da Faculdade de Direito da UFC
MARCOS CHIAPARINI - Advogado
MARIO DE ANDRADE MACIEIRA - Advogado e Presidente da OAB-MA
MÁRIO G. SCHAPIRO - Mestre e Doutor pela USP e Professor Universitário
MARTONIO MONT'ALVERNE BARRETO LIMA - Procurador-Geral do Município de
Fortaleza e Professor da UNIFOR
MILTON JORDÃO - Advogado e Conselheiro do Conselho Nacional de Política Criminal
e Penitenciária
NEWTON DE MENEZES ALBUQUERQUE - Professor da UFC e da UNIFOR
PAULO DE MENEZES ALBUQUERQUE - Professor da UFC e da UNIFOR
PIERPAOLO CRUZ BOTTINI - Professor da USP
RAYMUNDO JULIANO FEITOSA - Professor da UFPE
REGINA COELI SOARES - Professora da PUC-Rio
RICARDO MARCELO FONSECA - Professor e Diretor da Faculdade de Direito da UFPR
RICARDO PEREIRA LIRA - Professor Emérito da UERJ
ROBERTO CALDAS - Advogado
ROGÉRIO FAVRETO - ex-Secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça
RONALDO CRAMER - Professor da PUC-Rio
SERGIO RENAULT - Advogado e ex-Secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça
SÉRGIO SALOMÃO SHECAIRA - Professor Titular da USP
THULA RAFAELLA PIRES - Professora da PUC-Rio
WADIH NEMER DAMOUS FILHO - Advogado e Presidente da OAB-RJ
WALBER MOURA AGRA - Professor da Universidade Católica de Pernambuco

TASSO CONTINUA EM QUEDA LIVRE. JÁ HÁ INDICAÇÃO DE EMPATE TÉCNICO ENTRE OS TRÊS CANDIDATOS.


Tudo embolado na briga pelo Senado
Pela primeira vez, Tasso não lidera isoladamente a disputa. Está agora tecnicamente empatado com Eunício Oliveira, que cresceu sete pontos, enquanto o tucano caiu quatro. Mas José Pimentel também se aproxima e aparece em situação de empate técnico com Eunício
28.09.2010 03:00
A poucos dias da definição, a disputa pelas duas vagas no Senado pelo Ceará fica cada vez mais embolada. Tasso Jereissati (PSDB) oscilou quatro pontos percentuais e agora aparece com 44% na pesquisa O POVO/Datafolha. Há duas semanas, tinha 48%. Eunício Oliveira (PMDB) cresceu sete pontos e, com 41%, está tecnicamente empatado com o tucano. É a primeira vez na qual Tasso não lidera de forma isolada, em quatro rodadas de pesquisa O POVO/Datafolha. A coisa fica ainda mais embolada porque José Pimentel (PT) subiu cinco pontos e, com 36%, está tecnicamente empatado com Eunício.
Considerando a variação máxima da margem de erro, que é de três pontos percentuais para mais ou para menos, Tasso pode ter entre 41% e 47% das intenções de voto. Eunício pode ter entre um máximo de 44% e um mínimo de 38%. E Pimentel pode ter de 33% a 39%. Por essa razão, a situação de Eunício é de empate técnico tanto com Tasso, levando em conta a possibilidade de variação para mais da margem de erro, quanto com Pimentel, na hipótese de variação negativa.
Alexandre Pereira (PPS), que nas duas últimas pesquisas aparecia com 2%, agora chegou a 4% das intenções de voto. Com 2% estão Tarcísio Leitão, Marilene Torres (Psol) e Raquel Dias (PSTU). Benedito Oliveira (PCB), Reginaldo (PSTU) e Polô (PV) têm 1%, cada.
O percentual dos que declararam voto em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos para as duas vagas de senador é de 3%. Para uma das vagas, são 7% os que pretendem anular o voto, votar em branco ou dizem não votar em nenhum.
O índice de indefinição ainda é significativo: 35% dos eleitores pesquisados não sabem em quem votar para uma das vagas. Para as duas vagas, são 22% de votos indefinidos. A pesquisa é a primeira realizada após o início da veiculação da propaganda na qual o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador Cid Gomes (PSB) aparecem ao lado de Eunício e Pimentel pedindo voto para os dois candidatos.
Votos válidos

Como são dois votos para o Senado, a soma dos percentuais totaliza 200%. Nesta pesquisa, porém, pela primeira vez, o Datafolha divulgou também os percentuais de votos válidos. Este é o critério que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adota na apuração dos resultados. A base de cálculo, assim, deixa de ser o total de eleitores e passa a ser o total de votos.
Brancos, nulos e indecisos são excluídos e, nesse caso, a soma dos votos dos candidatos totaliza 100%. Nesse cálculo, não há mudança nas tendências, mas altera-se o percentual obtido pelos candidatos. Por isso, os índices de intenções de voto são inferiores aos registrados quando se considera o total de eleitores.
Nessa forma de cálculo, Tasso tem 33% das intenções de voto. Eunício fica com 31% e Pimentel, 27%. Na hipótese de variação máxima da margem de erro, há tríplice empate técnico. Alexandre Pereira tem 3%. Os demais candidatos todos figuram com 1%, cada.
Metodologia
A pesquisa foi feita entre os dias 23 e 24 de setembro e ouviu 985 eleitores de 44 municípios cearenses. A margem de erro máxima é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O número de registro no Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) é 57467/2010. No Tribunal Superior Eleitoral, a pesquisa está registrada com o número 32025/2010
VAMOS NÓS: Um dado importante: essa pesquisa retrata o período de 23 e 24 de setembro. Como o candidato Tasso Jereissati está caindo algo em torno de quatro/seis em cada pesquisa, e hoje já estamos no dia 28.09.2010, a situação já se inverteu. De fato, a pesquisa não captou ainda os quatro dias de intensa campanha do presidente Lula em prol de Pimentel e Eunício, inclusive não captou também a monumental carreata de domingo último.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

DENÚNCIAS SEM PROVAS NÃO ALTERAM QUADRO ELEITORAL NO CEARÁ, INDICAM AS PESQUISAS.


Cid cai seis pontos, mas ainda tem folga para vencer no 1º turno
Pela primeira vez em quatro rodadas de pesquisa, Cid interrompeu trajetória de crescimento e perdeu intenções de voto, enquanto Lúcio Alcântara parou de cair e ganhou adeptos. Movimentos ocorrem no momento mais conturbado da campanha de Cid Gomes. Mas ele ainda aparece em vantagem para vencer no 1º turno
27.09.2010 03:00
Com uma semana de campanha pela frente, o governador e candidato à reeleição, Cid Gomes (PSB), caiu seis pontos percentuais na pesquisa O POVO/Datafolha. Ainda assim, ele aparece com folga para vencer ainda no primeiro turno, com 52% das intenções de voto. A pesquisa foi realizada nos dias 23 e 24 de setembro. No levantamento anterior, feito nos dias 9 e 10 deste mês, ele aparecia com 58%.
Essa é a primeira queda registrada por Cid em quatro rodadas de pesquisa O POVO/Datafolha, interrompendo uma tendência que era de alta constante. O governador perdeu intenções de voto após a semana mais conturbada de sua campanha, com denúncias de um suposto envolvimento de corrupção publicadas pela revista Veja da semana passada.
A despeito de Polícia Federal (PF) e Ministério Público terem negado o envolvimento de autoridades estaduais nas denúncias investigadas, a reportagem da Veja se tornou a principal peça de propaganda da oposição na última semana. Além das frequentes exibições no horário eleitoral, a PF apreendeu cópias das páginas da revista feitas por encomenda dos dois principais adversários de Cid – Lúcio Alcântara (PR) e Marcos Cals (PSDB). Na última sexta-feira, chegaram a ser encontradas 89 mil cópias do material em uma gráfica, no Centro de Fortaleza, feitas pela coligação do candidato do PSDB.
Nos últimos dias, a oposição também explorou vídeo de viagem de Cid e familiares a Nova York, que se espalhou pela Internet, com insinuações de uso de dinheiro público, o que foi negado pela coligação do governador.
Na carona das denúncias, Lúcio fez movimento contrário ao do líder na disputa. O candidato do PR reverteu a trajetória que vinha sendo de queda constante e ganhou quatro pontos percentuais. Ele subiu de 16% para 20% das intenções de voto. Já Marcos Cals, que tinha 8% na rodada anterior da pesquisa, agora foi a 10%. Marcelo Silva (PV) e Soraya Tupinambá (Psol), que não pontuavam na pesquisa anterior, têm agora 1%, cada. Francisco Gonzaga (PSTU) e Maria da Natividade (PCB) foram citados, mas não chegaram a 1%. Eleitores que dizem votar em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos somam 3%, enquanto 12% afirmam ainda não saber em quem votar para governador no próximo domingo.
A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O Datafolha ouviu 985 eleitores em 44 municípios do Ceará, entre os dias 23 e 24 de setembro. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) com o número 57467/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número 32025/2010.

Votos válidos

Considerando-se apenas os votos válidos – isto é, descartando brancos, nulos, eleitores que dizem não votar em nenhum candidato e os que não sabem em quem votar –, Cid tem 62% das intenções de voto. Esse é o método pelo qual a Justiça Eleitoral computa o resultado do pleito. Para ser eleito sem precisar disputar segundo turno, um candidato precisa ter mais de 50% dos votos válidos. Na pesquisa anterior, realizada na segunda semana de setembro, o candidato do PSB à reeleição tinha 69% dos votos válidos.
Também pela contagem de votos válidos, Lúcio foi de 20% para 24%. Marcos Cals oscilou de 10% para 12%. Soraya e Marcelo Silva têm 1%, cada.

Espontânea

A pesquisa espontânea também demonstra o mesmo movimento da campanha de Cid. Ele tinha 43% duas semanas antes e, agora, foi a 39%. Os demais candidatos oscilaram dentro da margem de erro. Lúcio foi de 11% para 13% e Cals, de 6% para 7%.
O percentual dos que não sabem em quem votar, nesta pesquisa, ainda engloba um terço dos eleitores: 33%. Na segunda semana de setembro, eram 35%.
Na pesquisa espontânea, o eleitor diz em quem pretende votar sem ver a lista com o nome dos candidatos. Assim, ela se aproxima mais da realidade da votação na urna eletrônica, na qual o eleitor, ao contrário do que ocorria com o voto em cédula, não vê o nome dos candidatos, e precisa digitar o número daquele quer escolheu.

Rejeição

Cid Gomes viu também, pela primeira vez, o aumento do seu percentual de rejeição. Há 20% de eleitores que dizem que não votariam nele de jeito nenhum. Nas duas últimas pesquisas, eram 16%. Ainda assim, permanece abaixo de Lúcio Alcântara, que tem 29% de rejeição. Marcos Cals tem 23% de eleitores que afirmam que não votariam nele em hipótese alguma, índice que o deixa tecnicamente empatado com o governador e candidato à reeleição. Nesse caso, a resposta é múltipla, ou seja, o eleitor pode citar mais de um candidato. Por isso, o percentual ultrapassa os 100%

domingo, 26 de setembro de 2010

REVISTA ISTO É DESTACA O "ONDA VERMELHA" NO PAÍS.

A onda vermelha

De cima a baixo no País, o eleitor apoia a continuidade e tende a garantir uma quase inédita maioria governista no Congresso
Octávio Costa e Sérgio Pardellas

SEM PARAR

Eleitores de todas as classes sociais mostram desejo de continuidade
Na esteira da candidatura de Dilma Rousseff à Presidência, uma onda vermelha está tomando conta do País. No início da corrida eleitoral, essa imagem foi cunhada pelos estrategistas da campanha do PT para motivar a militância. Mas, agora, tornou-se realidade. As pesquisas de opinião revelam a supremacia dos candidatos governistas na maioria dos Estados, o que poderá garantir a um eventual governo Dilma ampla maioria na Câmara e no Senado. Surfando numa maré mais favorável do que aquela que levou o ex-metalúrgico Lula ao Palácio do Planalto em 2002, os candidatos da base aliada aos governos estaduais lideram as eleições em 19 das 27 unidades da Federação. Na disputa pelas cadeiras do Senado, a onda vermelha é tão volumosa que deverá eleger 58 dos 81 representantes e deixar sem mandato quadros históricos da oposição. Na Câmara, os partidos governistas devem conquistar 401 dos 513 assentos.
“Acho que vamos assistir a uma vitória esmagadora dos partidos da coalizão do governo”, prevê o presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social, Geraldo Monteiro.

MAIORIA

Sólido apoio no Congresso pode facilitar a aprovação das reformas estruturais de que o País necessita

Não bastasse a liderança em 21 Estados, Dilma está na frente de José Serra (PSDB) em locais em que Lula foi derrotado pela oposição em 2006. Apesar da oscilação registrada na última semana, a ex-ministra está perto da vitória em antigos redutos oposicionistas como São Paulo, Santa Catarina e Paraná. Na maioria dos Estados em que ela lidera as pesquisas, os candidatos que apoia também estão na dianteira. Bons exemplos são o Rio de Janeiro e a Bahia, onde os governadores Sérgio Cabral (PMDB) e Jaques Wagner (PT) são favoritos para se reeleger no primeiro turno. Como exceções aparecem Minas Gerais, com Antonio Anastasia (PSDB) na liderança, e São Paulo, onde Geraldo Alckmin (PSDB) supera Aloizio Mercadante (PT). No Paraná, a onda vermelha já proporcionou uma grande virada. As últimas pesquisas mostram que o tucano Beto Richa, antes favorito ao governo, perdeu o primeiro lugar para Osmar Dias (PDT). Reviravoltas também têm ocorrido na disputa para o Senado. Até então cotado para uma das vagas do Rio, Cesar Maia (DEM) foi ultrapassado pelo ex-prefeito de Nova Iguaçu Lind­berg Farias (PT). No Amazonas, Arthur Virgílio perdeu o segundo lugar para Vanessa Grazziotin (PCdoB). Em Pernambuco, Marco Maciel (DEM), segundo colocado atrás de Humberto Costa (PT), foi ultrapassado por Armando Monteiro Neto (PTB).

A inédita sintonia fina entre Executivo e Legislativo, a partir de 2011, trará benefícios para o Brasil. Caso se confirme a sólida maioria no Congresso do possível futuro governo Dilma Rous­seff, o Brasil terá finalmente a chance de aprovar as mudanças estruturais que se fazem necessárias há anos, como as reformas política e tributária. “A agenda congressual a partir do ano que vem exigirá a votação das reformas. Com maioria no Legislativo e vontade política, será possível avançar nessas questões”, afirma David Fleischer, cientista político da UnB. Outro aspecto importante é a possibilidade da formação de uma concertação política, composta por partidos aliados chancelados pelo desejo popular. Desde a redemocratização do País, os governos construíram suas maiorias pelas artes do fisiologismo e das políticas do toma-lá-dá-cá, numa espécie de balcão de negócios em pleno Congresso. Nesse novo cenário, queiram ou não, deputados e senadores serão levados a participar de uma ação conjunta, na qual é de esperar que os objetivos políticos se sobreponham à visão patrimonialista do mandato.

APOIO
Participação de Lula na campanha de Dilma incomodou a oposição


Há quem afirme que a concentração de poder nas mãos do Executivo, com o Legislativo dócil à vontade do Planalto, pode permitir uma recaída autoritária. O temor não se justifica. Não há ambiente no Brasil para esse tipo de surto. As instituições são sólidas e democráticas, e não há espaço para mudanças constitucionais em benefício de um partido, como aconteceu na história do México, onde o PRI controlou a vida política por 71 anos, graças ao domínio da máquina pública. “O que aconteceu no México foi muito diferente. O PRI chegou ao poder quando a economia mexicana, a sociedade e os políticos eram muito rudimentares e eles forjaram instituições para guiar o desenvolvimento em todas as áreas. Já o PT emergiu no momento em que a economia e as instituições já estavam consolidadas”, compara o brasilianista Peter Hakim, presidente do Interamerican Dialog.
MINORIA

No Largo de São Francisco (SP), menos de 100 pessoas lançam o manifesto

Contrariando todas as evidências, intelectuais e setores da elite, em São Paulo divulgaram, na semana passada, um manifesto em defesa da democracia e da liberdade de expressão. Um dia depois, o Clube Militar, no Rio de Janeiro, instituição marcada pelo apoio ao antigo regime de exceção que infernizou o País por 20 anos, promovia um inusitado painel de debates para discutir também supostos riscos à democracia no País. Tanto o documento do grupo de intelectuais quanto os debates dos militares ficaram a um passo de questionar a própria legitimidade da eleição de Dilma, em razão da participação do presidente Lula na campanha. Ambos não levaram em conta que a legitimidade brota das urnas. Embora o eleitor manifeste maciçamente sua intenção de votar pela continuidade das políticas oficiais, a opinião pública não vem sendo espelhada na ação de alguns agentes do processo político. O que parece ter sido esquecido no manifesto oposicionista de tendências golpistas é que a democracia é exercida pelo voto.

EQUÍVOCO

Um manifesto oportunista tentou passar a mensagem de que há uma ameaça à democracia. Esqueceu que a legitimidade vem pelo voto
O temor de uma vaga autoritária por parte do governo é deslocado da realidade. Não reflete o momento que o Brasil vive. Não há sinais concretos de que o presidente Lula tenha atentado contra a liberdade de imprensa. Ele vem fazendo apenas críticas pontuais, direito que não pode ser negado a qualquer cidadão, muito menos ao presidente. De resto, desde a luta contra a ditadura, Lula mostrou-se defensor intransigente das liberdades democráticas. “É incrível como as pessoas ficam empurrando o Lula para o chavismo, quando ele tem permanentemente se recusado a cruzar essa fronteira”, rebate o ex-ministro Delfim Netto, com a ironia de sempre. Delfim tem razão. A não ser que o observador da cena nacional, assustado com a onda vermelha, queira ver chifre em cabeça de cavalo.

Censura nas Artes


TUDO COBERTO
Obra de artista argentino com os candidatos é retirada da Bienal de SP

A interdição de uma obra antes da inauguração da 29ª Bienal de São Paulo não foi o primeiro nem será o último caso de polêmica gerada em seus pavilhões. Desde que a Bienal é a Bienal, é o lugar propício para os boicotes, as intervenções, os questionamentos às instituições. Talvez exatamente pela imensa repercussão de tudo aquilo que é produzido dentro de seus monumentais nove mil metros quadrados de arquitetura modernista. Em uma Bienal que elege a política como tema não poderia ser diferente. Especialmente
em época eleitoral.

O vespeiro da vez é a obra “El alma no piensa sin imagen”, do argentino Roberto Jacoby, vedada da 29ª Bienal por fazer propaganda à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência da República.
Os dois grandes painéis com as fotos de Dilma e Serra tiveram repercussão pública imediata, mas, por recomendação do Ministério Público Federal, depois de consulta efetuada pela própria Fundação Bienal, foram cobertos três dias antes da inauguração da mostra.
“Pela primeira vez na história, a crise que os países centrais provocam não é paga pelos países periféricos. Lula é a figura política mais importante do mundo. É mais importante que Obama”, disse Jacoby para justificar sua instalação-comitê. Com pôsteres, palco, equipamento para conferências e cerca de 25 cabos eleitorais que atendiam pelo título de Brigada Argentina por Dilma, a obra efetivamente configurava um comitê. “Ele havia nos dito que faria uma campanha fictícia”, diz o curador Agnaldo Farias. “Ele sabia que seria interditado. Esse é um caso de projeto feito para ser barrado.”
Paula Alzugaray

RÁDIO LIBERDADE: 22 ANOS. 3 ANOS DE ABERTURA E PLURALIDADE E DE BOM JORNALISMO.

Hoje comemoramos 22 anos da Rádio Liberdade, carinhosamente chamada por muitos ouvintes de "nossa Lili". Navegando nessa história de vinte e dois anos, um ano já passado de sua maioridade, constatatamos várias fases em sua caminhada. Iniciada ainda sob os auspícios da política dominadora dos coronéis e da estrutura autoritária montada no País e no Estado, a sua própria origem se deu no processo num contexto histórico que pavimementava o caminho para obtenção da prorrogação do mandato do então presidente José Sarney, ocasião em que as forças conservadoras oriundas do estado ditatorial distribuiram inúmeras concessões de rádio e de televisão para seus aliados. Se por um lado essas novas concessões estabeleciam um liame de dependência de parlamentares com o poder Central, aprofundando o processo de manipulação política e de modo especial no Nordeste, por outro, abria oportunidade de acesso de várias comunidades a novas emissoras de rádio e de televisão. Fazendo-se um balanço dessas duas situações pode-se afirmar que, malgrado muitos erros, equivocos e uma boa dose de exploração política, manipulação da informação etc., a caminhada da Rádio Liberdade carrega um grande ganho para a comunidade boa-viagense. De fato, se analisarmos o aspecto do entretenimento, das informações de cunho local que não se inscrevesse no campo da política, os primeiros dezenove (19) anos cumpriram o seu papel.
Pela Lili, nesse período, passaram vários profissionais do rádio. Alguns que dignificaram a comunicação e a informação; outros que, desgraçadamente, se colocaram a serviço da infâmia e do não-jornalismo, mas, enfim, essa caminhada permitiu que chegássemos onde agora estamos. Nos últimos três anos, quando assumimos o controle da emissora, estamos dando uma nova cara à Rádio Liberdade, sem pretendermos, com isso, deixar de reconhecer que, nesse percurso, possamos ter cometido algum erro, algum equivoco, que, se ocorreu, não foi de forma deliberada, consciente. Contudo, fazendo-se o balanço desses três anos e alguns meses dessa nova Rádio Liberdade, podemos afirmar que demos um grande salto de qualidade. Mesmo a nossa conhecida militância política, pela esquerda e no Partido dos Trabalhadores, não levou a que repetíssemos o mesmo erro do passado, tornando a emissora uma mera escora para os interesses políticos de seu controlador. De fato, nesse período a Rádio Liberdade, sem prejuízo do claro posicionamento editoral que expressa a posição de sua direção, se transformou numa emissora plural, democrática e combativa na defesa do interesse público.

Nessa linha, realizamos, com certeza, a primeira cobertura democrática, plural, de eleição em nosso município no pleito de 2008. Nenhuma emissora de rádio do Estado do Ceará cumpriu o papel que a Liberdade cumpriu. Abrimos espaço para todos os candidatos (amigos, correlegionário, adversário, simpático ou antipáticos com relação à direção da rádio), fato absolutamente inédito na história da radiofonia cearense.

A independência da Rádio Liberdade é inegociável. Por isso, atravessamos momentos de enormes dificuldades, especialmente financeiras, o que tem exigido de todos nós, direção e funcionários, um esforço hercúleo para transpor esse mar revolto. Mas, como alguém já disse "não sabendo que era impossível, foi lá e fez". É isso que faremos. Com a participação e ajuda de todos, especialmente dos nossos anunciantes que acreditam na força da nossa audiência, que é alicerçada na credibilidade que goza em Boa Viagem e em todo o sertão central.

Para mostrar que a vida é feita de alegria e para trazer bons fluidos para o porvir, hoje vamos comemorar o 22º Aniversário da Lili com um show na praça Antônio Queiroz com a banda Forró Viagem e o show de humor do grande humorista cearense (de Quixeramobim) Escolástica.

Rádio Liberdade, Respeito e Credibilidade.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

RETA FINAL

Deodato Neto, advogado.

De acordo com as famigeradas pesquisas de opinião, faltando pouco menos de um mês para as eleições, apontam que no Ceará o pleito já pode ser decidido no primeiro turno. Também em relação à Presidência da República parece que será da mesma forma. Com os números apresentados, podem-se fazer alguns comentários, apesar de se saber que pesquisa não significa necessariamente voto, nem deveria influenciar o pensamento livre do eleitor.
Dilma tem quase o dobro das intenções de voto do candidato da oposição (51% x 27%) e os analistas políticos afirmam que só um fato de enorme repercussão e gravidade poderia mudar a situação em desfavor da petista. Serra tenta de qualquer maneira colar qualquer problema do governo à responsabilidade de Dilma, sendo que essa estratégia até agora não deu resultados. Basta ver a pesquisa realizada após a quebra do sigilo por parte de alguns criminosos dentro da Receita Federal.
Da mesma forma, somente um fato novo pode tirar o segundo mandato de Cid Gomes. As pesquisas mostram a possibilidade de o Governador ganhar já no primeiro turno. Cals e Lúcio ainda não conseguiram empolgar o eleitor para buscar uma mudança na Administração.
Disputa para valer é o que se vê apenas em relação ao Senado Federal.
Tasso, Pimentel e Eunício lutam pelas duas vagas. O tucano tem a vantagem de já ter sido governador por três vezes e ser bem mais conhecido da população que os outros dois. Pimentel e Eunício apostam na fórmula, correta por sinal, de colar seus nomes à disputa para Presidente.
De fato, não faz sentido o eleitor votar em Presidente e Governador de uma mesma coligação e, para Senador, apoiar um que seja oposição a seus candidatos.
Ora, Tasso passou os oito anos criticando a política de Lula e de Dilma. Criticou o Bolsa Família, o PAC, a Política Externa e todas as atitudes de Lula.
Não faz sentido votar em Dilma e Cid e ao mesmo tempo apoiar candidato que os criticam, que fará tudo para atrapalhar os projetos dos Governos. Ressalte-se que um Senador que apenas critica não terá os meios para trazer os recursos e projetos que o Ceará precisa.
Por fim, importante que os eleitores não se apeguem também apenas às pesquisas, mas que votem nos candidatos de acordo com seus projetos e trajetórias políticas e pessoais. Infelizmente, o excesso de pesquisas acaba por pautar os discursos dos candidatos, bem como as alianças e os apoios eleitorais, em detrimento da conquista de votos com base em idéias e práticas.

VISÃO INFANTIL DA DISPUTA ELEITORAL!


DENÚNCIA DA VEJA É DESMONTADA MAIS CEDO DO QUE SE ESPERAVA.TRISTE PAPELÃO DE QUEM APELA PRÁ CALÚNIA E DIFAMAÇÃO.

Política

Escândalo ou armação?


Fábio Campos
fabiocampos@opovo.com.br
24/09/2010 02:00

Cid e Ciro Gomes envolvidos em escândalo de corrupção que desviou R$ 300 milhões. Da maneira como a Veja divulgou, não foi insinuação, mas sim afirmação. Como é peculiar ao período eleitoral, a “reportagem” foi difundida na internet e principalmente na propaganda eleitoral da oposição. Tanto o PSDB, ex-aliado de Cid e Ciro, como Lúcio Alcântara (PR), que foi vice-governador de Ciro, deram imensa dimensão ao caso em suas propagandas eleitorais. A campanha de Tasso Jereissati, ex-maior aliado de Ciro, jogou fichas na divulgação da reportagem. Ao longo da semana, a reflexão sobre o caso. É difícil e desconfortável imaginar dois personagens que conhecemos há tanto tempo envolvidos nesse tipo de coisa e se relacionando com mercadores de obras públicas nos grotões. O valor da falcatrua agride a lógica. Um desvio de R$ 300 milhões pressupõe obras e repasses financeiros de bilhões. Uma propina de 5% precisa de R$ 6 bilhões em obras para alcançar a cifra de R$ 300 milhões a desviar.

A ANATOMIA DO CASO

Os fatos pareciam aloprados, não? 300 milhões de pulgas atrás das orelhas. Em abril, a Operação Província da Polícia Federal fala em desvios de R$ 30 milhões (10% dos 300 milhões anunciados). Em dezembro, a Operação Gárgula levou 15 pessoas à prisão. Quem foi preso na Gárgula não foi gente ligada a Ciro ou Cid, mas sim a seus opositores (vejam Coluna de ontem). E como a coisa foi bater em Cid e Ciro? No meio disso tudo, uma operação da PF fez busca e apreensão no gabinete do deputado Zezinho Albuquerque, ligado à família Ferreira Gomes. Uma assessora do deputado era investigada pela PF. Pronto, foi o fio condutor para ligar o governador ao caso. Nesse ínterim, o empresário Raimundo Morais Filho, um dos “cabeças” do escândalo investigado pela PF, é convencido a mudar de advogado. Um tal de Paulo Goyaz aparece em sua vida.

MIL E UMA UTILIDADES

Goyaz possui trajetória profissional intensa. Defende mensaleiros, dirige o PTB de Brasília, compõe a equipe de José Roberto Arruda (DEM-DF) e preside o time do Gama (3ª divisão). Boa história é saber como Goyaz, causídico com clientes mensaleiros, parou no colo de “Moraisinho”. Uma pesquisa revela a primeira pista: em 2008, Goyaz advogou no TSE para o insignificante PTdoB numa causa contra a diplomação do maior inimigo de Roberto Pessoa (PR) em Maracanau. Como se diz no Interior, jabuti não sobe em árvore... Dois anos depois, Goyaz monta guarda no Ceará exercendo o papel de principal advogado da coligação PR-PPS. No calor da campanha, vem a Veja com a denúncia dos R$ 300 milhões desviados por Ciro e Cid.

O DIRETOR DO VÍDEO

Em nota, Moraisinho nega que tenha feito a acusação exposta pela Veja. Ontem, novo fio da teia: um vídeo no site da Época. Ao estilo Veja, o texto liga o esquema a Ciro e Cid. Para sustentar a denúncia, a revista solta um vídeo (youtu.be/GR4ZMKTDoAM). Vejam com atenção. Tirem suas conclusões. No texto que apresenta o vídeo, Época confirma o que a Coluna havia dito: Paulo Goyaz era o advogado de Raimundo Morais Filho. É Goyaz quem conduz o “depoimento” de Moraisinho. O texto no site diz: “O advogado Paulo Goyaz é uma das pessoas que participou da reunião (quando o vídeo foi gravado), realizada no primeiro semestre deste ano”. Ou seja, o advogado do suposto acusador do esquema que envolve Cid e Ciro é também advogado do PR no Ceará. Hummm...

O DONO DA VOZ

No vídeo, Morais conta que é responsável por sete empresas. Ao citar o ano de início da operação, se confunde. Diz 2003 e depois 2002. Outra voz sentencia: “2003”. Desconfortável, Morais diz que precisa organizar as informações para uma outra gravação: “Com calma, que vai sair bem bonitinha”. Passa a olhar o relógio. “Desse jeito vai sair mal feito”, diz. Daí em diante, fala pouco e aparenta vontade de encerrar. A voz em off se torna mais presente e passa a ler o roteiro. Morais confirma partes do relato. Às vezes, balançando a cabeça. Outras, murmurando. A seguir, a “voz” constrói a ideia da “delação premiada”. No final, Morais diz que vai pedir a Paulo Quezado, seu advogado inicial, a cópia do processo. Nesse momento, comprova-se que a voz é de Paulo Goyaz. Morais diz: “Agora, Paulo (Goyaz), vou pedir ao Paulo Quezado... o bom é que é dois Paulo!... a cópia do processo”. Goyaz interfere: “Você não fala de mim. Não fala do que estamos conversando”.

VOX POPULI: PELO PERCENTUAL DILMA CHEGA AOS 60% DOS VOTOS VÁLIDOS.


Vox Populi: Dilma 51%, Serra 24% e Marina 10%
Postado em 23 de setembro de 2010 por Lidiane Alves

A candidata à presidência pelo PT, Dilma Rousseff, lidera a corrida eleitoral com 51% das intenções de voto, segundo pesquisa Vox Populi, divulgada nesta quinta-feira (23) no Jornal da Band. O candidato tucano José Serra atingiu 24% da preferência do eleitorado. Em terceiro lugar, vem Marina Silva (PV) com 10%.

Se o pleito fosse hoje, Dilma seria eleita já no primeiro turno. A margem de erro é de 1,8 pontos percentuais. Nenhum dos outros candidatos somou 1% dos votos. Brancos e nulos somam 5% e 9% dos eleitores não sabem ou não quiseram responder.

A pesquisa foi registrada junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 31705/2010, no dia 18 de setembro. O levantamento foi realizado entre os os dias 18 e 21 de setembro e entrevistou 3 mil eleitores.

(Com informações do Portal Terra)

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

JORNAL O POVO: NESSE MATO TEM COELHO. PENA QUE, COMO SEMPRE ACONTECE, SÓ DEPOIS DA ELEIÇÃO A CALÚNIA É DEMONSTRADA.


Política
Desintegração de um crime
Fábio Campos
fabiocampos@opovo.com.br
23/09/2010 02:00
Reportagem exclusiva do O POVO mostra que o empresário Raimundo Morais Filho, através de uma nota assinada (com firma reconhecida em cartório), nega o conteúdo da matéria veiculada pela Veja. Segundo a revista, a Polícia Federal investiga um esquema de corrupção que teria desviado R$ 300 milhões de prefeituras e que entre os beneficiados estariam o governador Cid Gomes e o deputado federal Ciro Gomes. Veja o fac-símile da nota na edição de hoje do O POVO. Na nota, Morais afirma que não redigiu “um minucioso relatório” sobre os crimes para negociar “delação premiada”, como afirma o texto da revista. O empresário disse que falou somente uma vez com o repórter Leonardo Coutinho, autor da reportagem, que solicitava uma entrevista. “Entretanto, disse apenas que se negava a ser entrevistado para evitar polêmica sobre o caso ou mesmo retaliação”. Morais também diz na nota que lamenta o enfoque da Veja, que se mostra “tendenciosa e se apresenta de forma distorcida da realidade”.

A LUPA SOBRE AS OPERAÇÕES

Jogue-se a lupa no envolvimento de Raimundo Morais Filho nas investigações da PF e nas operações Gárgula e Província. O Ministério Público do Ceará, em conjunto com a CGU, PF e Receita Federal, desencadeou, em 3 de março, a Operação “Província”. O objetivo foi desarticular uma quadrilha especializada no desvio de verbas públicas, com a participação de servidores públicos e membros de comissões de licitação. Os trabalhos tiveram o apoio do TCM e da Secretaria da Segurança Pública do Ceará. Durante a operação “Província” foram efetuadas nove prisões e cumpridos 12 mandados de busca e apreensão. A operação foi um desdobramento da Operação “Gárgula”, deflagrada em dezembro do ano passado pela CGU e Polícia Federal, na qual também foi identificada a atuação de um grupo de empresas que vinha sendo investigado pelo Ministério Público do Estado do Ceará. Ou seja, são duas operações entrelaçadas.

O PERSONAGEM CHAVE DO CASO

No balanço oficial da Operação Gárgula (dezembro de 2009), a Polícia Federal afirmou em nota que “finalizou os trabalhos cumprindo os 15 mandados de prisão e os 52 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal”. É ai que o caldo começa a engrossar. Morais não foi preso nessa operação (como havia afirmado a revista), mas entre as 15 prisões está relacionado o nome do vice-prefeito de Guaramiranga, Marcos Antônio Caracas de Souza, e seu irmão Francisco Ésio de Souza Junior, que é genro do prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PR). Na sequência das investigações, a Polícia Federal desencadeou, em 29 de abril, quatro meses depois da primeira ação, a Operação Gárgula II, que atingiu 11 prefeituras do Interior (Maracanaú, Itaitinga, Aracati, Fortim, Cariús, Senador Pompeu, Quixeramobim, Quixeré, Miraíma, Beberibe e Pacujá). É a partir dessa teia de relações que surge o nome do advogado Paulo Goyaz, peça-chave no rumo dos complexos acontecimentos.

NOS CORREDORES DE BRASÍLIA

Paulo Goyaz Alves da Silva é um conhecido advogado com atuação no Distrito Federal. Filiado ao PTB, é secretário de Relações Sindicais do Partido em Brasília. Ligado ao senador Gim Argello (suplente de Joaquim Roriz, que renunciou), chegou a ocupar o cargo de subsecretário no Governo do DF no auge da crise do Mensalão do DEM (ficou no cargo até a decretação da prisão do ex-governador José Roberto Arruda). Antes, teve seu nome citado no mensalão petista chegando a depor no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara. No depoimento, confirmou ter recebido R$ 964,36 mil do PP para defender o ex-deputado Ronivon Santiago. A suspeita era que o dinheiro tenha sido fruto do esquema capitaneado pelo publicitário Marcos Valério. Goyaz também depôs como testemunha de defesa do então deputado Pedro Corrêa (PP), apontado como um dos beneficiários (R$ 4,1 milhões) do esquema de Valério.

CONEXÕES COM O CEARÁ

Mas, voltemos ao Ceará. Em 2008, Goyaz foi o advogado contratado pelo PTdoB cearense numa ação contra a diplomação do deputado estadual Júlio César Costa Lima, tucano opositor de Roberto Pessoa em Maracanaú. É estranho que o modesto PTdoB tenha poder de fogo para tal. Logo depois da Operação Gárgula II, em maio passado, Goyaz foi constituído por Raimundo Morais Filho para ser o seu advogado nas questões relativas ao caso. O fato chama a atenção. Afinal, em sua nota, Morais diz que “vive modestamente”. Então, como teve dinheiro para pagar um advogado com tal envergadura? Na sequência dos acontecimentos, Goyaz passou a ter atuação ainda mais marcante na política do Ceará ao ser constituído como advogado da coligação “Por um Ceará melhor para todos”. Portanto, advoga para a aliança que une o PR ao PPS e tem Lúcio Alcântara (PR) como candidato a governador. Ou seja, Goyaz foi advogado de Raimundo Morais Filho, o suposto delator do desvio dos R$ 300 milhões que envolveria Cid e Ciro Gomes, enquanto também advogava (ou acabara de advogar) para a coligação que se opõe ao governador. Enfim, pela teia de circunstâncias, a história requer melhores e maiores investigações.

SEMAM REALIZA AÇÃO PELO DIA MUNDIAL SEM TRÂNSITO.

TRÂNSITO NÃO MUDOU
Dia Mundial sem Carro passa despercebido

Sem alternativa: para muitos, o jeito é arriscar a travessia disputando espaço com os carros
Diário do Nordeste - 23/9/2010

Apesar de algumas ações pontuais do poder público, o fluxo de veículos nas vias da Cidade não diminuiu

No Dia Mundial Sem Carro, celebrado ontem, pouco de diferente pôde ser visto em Fortaleza. Apesar de algumas ações simbólicas realizadas pelo poder público, não houve alterações significativas no tráfego de uma Capital onde, nos dois primeiros meses do ano, 125 ciclistas morreram no trânsito.

Ao mesmo tempo em que suscita reflexões sobre um tema que preocupa governantes e especialistas das maiores capitais do País, o Dia Mundial Sem Carro mostrou como o assunto não recebe a atenção merecida pela maior parte dos fortalezenses. A fim de sensibilizar para a data - que tem como objetivo questionar o uso excessivo de veículos automotores -, vereadores pedalaram até a Câmara Municipal e a Secretaria do Meio Ambiente e Controle Urbano (Semam) ocupou duas vagas de carro na Praça do Ferreira, no Centro, onde ofereceu um espaço para leitura.

Diversão

Em vez de veículos, quem passou pelo espaço encontrou cadeiras e uma estante com livros. "A intenção é despertar a curiosidade das pessoas, informá-las e oferecer um ambiente de lazer", informou a educadora ambiental e assessora técnica da Semam, Bete Cabral. Contudo, a ação, que durou das 9h às 16h, pouco chamou a atenção da população durante a manhã.

Indiferente, quer pela falta de avisos no local, quer pela pressa, a maioria dos passantes mal reparava nos livros e assentos. Entre 10h e 10h30 de ontem, enquanto a reportagem esteve no local, ninguém pegou nenhum material informativo.

De acordo com Bete Cabral, a Semam também promoveu ações entre os seus empregados. Durante a semana, disse, foi incentivada a prática da carona entre os funcionários e, ontem, interditado o estacionamento da Secretaria.

Para o titular da Pasta, Deodato Ramalho, a pouca utilização da bicicleta como veículo deve-se, principalmente, a quatro fatores. Primeiro, apontou, há uma questão cultural, que associa o veículo mais a um instrumento de lazer do que a um meio de transporte convencional propriamente dito.

Calor

Aliadas a esse fato, as condições climáticas da Capital cearense, segundo Ramalho, também contribuem para a pouca importância dada à bicicleta, uma vez que, em determinados horários, especialmente por volta das 13h, o calor desencoraja possíveis ciclistas.

Assim como a população, o poder público, conforme o gestor, não valoriza satisfatoriamente o trânsito não motorizado. Como terceiro fator, Deodato citou a infraestrutura precária da Cidade para facilitar o uso desse tipo de veículo.

O último elemento indicado pelo secretário foi o desrespeito que os ciclistas sofrem, durante o percurso, por conta de um "trânsito perverso". "Hoje, deu para lembrar como é andar de bicicleta. Você fica apreensivo".

Mesmo quem anda de bicicleta cotidianamente se sente angustiado no trânsito. "O perigo é constante", apontou a estudante Cíntia Accioly, de 23 anos. Ela disse que um dos motivos que a faz optar pela bicicleta é o tráfego intenso nas ruas por onde passa. Entretanto, ressaltou que as condições das vias são inadequadas para o trânsito sobre duas rodas, por serem muito estreitas. Já em ruas pouco movimentadas, o perigo torna-se a ação de assaltantes.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

FHC E TASSO AGORA CORTAM OS PULSOS DE VEZ...


Lula no metrô de Paris.
Da série: agora o FHC corta os pulsos
Publicado em 22/09/2010

A inveja é boa, porque corrói o invejoso por dentro

O Conversa Afiada reproduz e-mail do amigo navegante Haroldo:

Que inveja, hein, FHC? (e os seus seguidores)

O site Opera Mundi publicou uma matéria sobre o alinhamento dos partidos políticos da França em relação à disputa eleitoral no brasil A matéria não traz grandes novidades, mas a foto de Luiza Duarte que ilustra a matéria me fez lembrar a brincadeira de Paulo Henrique Amorim, dizendo que, agora, FHC corta os pulsos.

Imaginem como deve estar doído o ego do ex-presidente, o Monsieur Cardosô, vendo as paredes do centenário metrô de Paris com uma enorme foto de um Lula sorridente e o título – não identifiquei de qual revista ou jornal é – dizendo: Brasil, o país onde a esquerda teve sucesso”.

Que tristeza, hein, FHC?

terça-feira, 21 de setembro de 2010

LULA CONSAGRA MAIS UM ORGULHO PARA O BRASIL: INDICADO OFICIALMENTE PARA O PRÊMIO NOBEL DA PAZ!


Lula é indicado ao Nobel da Paz

O presidente Luis Inácio Lula da Silva está entre os candidatos ao Prêmio Nobel da Paz, de acordo com a agência EFE. O norueguês Stein Tonnesson, diretor do Instituto Internacional para a Investigação da Paz, teria confirmado a indicação de Lula. A divulgação dos premiados será em outubro.

Em fevereiro, o jornal francês 'Le Monde' já havia antecipado a indicação de Lula, mas o Instituto Nobel, por tradição não divulga a lista oficial dos candidatos.

Nesta sexta-feira, o diretor do Instituto Nobel, Geir Lundestad, informou que há 165 personalidades e instituições propostas para o prêmio.

Stein Tonnesson afirmou ao 'Le Monde' em fevereiro que a vitória de um político sul-americano que luta contra as desigualdades sociais é muito provável. Principalmente se esse político for o presidente Luiz Inácio Lula da Silva..

A EFE informou que Tonnesson disse que Berge Furre, membro do Comitê Nobel da Paz, é um grande admirador do presidente brasileiro.

Época Online, com informações de GloboNews.com

A VELHA COMPRA DE VOTOS COM CONSULTAS MÉDICAS. O JORNAL O POVO DENUNCIA A VELHA E VERGONHOSA PRÁTICA.



Um crime contra a democracia

21/09/2010 02:00

Guálter George. Editor-executivo de Conjuntura

A incipiente democracia brasileira ainda vai exigir muito exercício do voto para levar à construção da cidadania no nível que idealizamos. A história muito bem contada pelo repórter André Teixeira no material editado ao lado expõe uma das facetas mais cruéis do nosso processo eleitoral, que é, ainda, a facilitada ação de candidatos mal intencionados para conquista de eleitores que representam uma parcela populacional que permanece submetida a um quadro de carências básicas. Gente naturalmente sensível a ações de aparência humanitária, ou comunitária, porque ainda vítima de um Estado que fracassa no seu objetivo de atender à população na dimensão exigida pelas necessidades que enfrenta no seu cotidiano. O que há de mais dramático no episódio é a constatação de que não se trata de um caso isolado e, certamente, se reproduz em comitês eleitorais afora, sem respeitar cor partidária ou manifestação ideológica. Espalha-se como uma praga. Sabemos que a situação apresentada ao leitor é apenas o recorte de algo muito mais grave, mais amplo e mais nocivo ao processo eleitoral. A denúncia expõe um quadro que exigiria das autoridades competentes uma resposta mais eficiente do que aquela normalmente apresentada, mesmo que se reconheça como crível o argumento de que se trata de um crime de difícil combate. O é, de fato. Os atores da triste história que contamos unem-se, cada um com sua responsabilidade, passiva e ativa, na consolidação de um quadro que já não faria mais sentido que permanecesse acontecendo na era avançada em que vivemos. A denúncia feita é a mais triste constatação de que os grandes e inegáveis avanços da democracia brasileira recente, uma das maiores do mundo, permanecem convivendo com atrasos que deveríamos ter como inaceitáveis. Infelizmente, superar tudo isso é um objetivo que ainda se precisa buscar.
Veja a matéria completa no http://www.opovo.com.br/

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

POLÍCIA FEDERAL DESMENTE INFORMAÇÕES DA SUJÍSSIMA VEJA.

PF diz que investigações não alcançaram Cid e Ciro Gomes
Por: Luciano Augusto
Em nota divulgada à imprensa nesta segunda-feira (20), a Polícia Federal informou que investigações em andamento não alcançaram o governador Cid Gomes e o deputado federal Ciro Gomes.
Segundo a PF, nenhuma informação a mais será fornecida, pois as investigações seguem em segredo de justiça.

Leia a nota abaixo:

Em referência à reportagem publicada na Revista Veja, Edição nº 2183, páginas 82-83, intitulada "Integração Cearense", a Superintendência Regional da Polícia Federal no Ceará informa que as investigações em andamento não alcançaram qualquer autoridade federal ou estadual detentora de foro privilegiado, tampouco o Governador do Estado do Ceará, CID FERREIRA GOMES e o Deputado Federal CIRO FERREIRA GOMES; por esse motivo o processo que a revista faz alusão tramita em 1ª instância Na Justiça Federal do Ceará.

Informa ainda, que as investigações encontram-se sob segredo de justiça, razão pela qual nenhuma outra informação será fornecida.

Por: Comunicação Social/ Superintendência Regional da PF no Ceará
VAMOS NÓS: Não custa lembrar o que já havíamos comentado aqui neste blog quando, ocorreu a prisão pela PF de uma assessora do deputado Zezinho Albuquerque, que também havia trabalhado para o deputado Marcos Cals. Naquele momento, agindo com responsabilidade, dissemos aqui que não é pelo fato de uma pessoa haver trabalhado com outra que, necessariamente, haveria o comprometimento daquela, ou seja, se isso fosse verdade os dois deputados estariam comprometidos com eventuais fraudes.

PROVA DA DEMAGOGIA TUCANA É A DOUTORA AMBULÂNCIA.


70% dos atendimentos
Interior lota emergência do IJF

Percentual de atendimentos, no IJF, de pacientes vindos do Interior continua alto. Muitas macas permanecem espalhadas pelos corredores da unidade de emergência porque faltam vagas nos leitos. As maiores vítimas, segundo o chefe do plantão de ontem, são condutores de motocicletas
Rita Célia Faheina - 20/09/2010 02:00
“Eu diria que 70% dos atendimentos feitos são de pessoas que chegam do interior do Estado e só 30% são da Capital. A maioria deles são vítimas de acidentes de motos”. A declaração é do chefe do plantão do Instituto Doutor José Frota (IJF), ontem, Carlos Alfredo Guerra.
A situação no hospital de traumas praticamente não mudou em relação aos número publicados pelo O POVO na última sexta-feira quando o superintende Messias Barbosa declarou que 67% dos atendimentos naquela ocasião eram de pessoas de cidades interioranas, percentual que vem aumentando desde o mês de julho passado. O POVO publicou com exclusividade a nova crise do IJF, na edição de quinta-feira, e o pedido de exoneração do diretor médico Fred Arnauld, e do chefe da emergência, Rommel Araújo.
“Estamos praticamente atendendo todo o Estado e o hospital (IJF) é de Fortaleza, é para atender à Capital”, disse ontem o médico Carlos Alfredo. Enquanto O POVO conversava com ele, no pátio de entrada das ambulâncias, chegou uma com um paciente de Canindé e duas outras estavam paradas: uma de Itapipoca e outra de Barreira.
Carlos Alfredo disse que o plantão de ontem não tinha sido muito tumultuado, mas o hospital não comporta mais tantos pacientes que chegam do Interior. “Há casos também de pessoas vítimas de tiros, facadas e muitos, que não são casos de alta complexidade, poderiam ser levados para hospitais de cidades como Sobral, Limoeiro do Norte, Juazeiro do Norte, mas são trazidas para cá”, completa o médico.
O superintendente do IJF, Messias Barbosa, disse que o crescente número de atendimentos de pessoas do Interior é por causa do período eleitoral com a realização de comícios e festas. O aumento do consumo de bebidas alcoólicas estaria contribuindo para o crescimento dos acidentes de trânsito. Muitos dos pacientes internados no IJF continuam em macas no corredor da unidade, uma vez que a emergência já não comporta mais pacientes.
Ontem, o chefe do plantão não soube especificar os números, mas na última sexta-feira, o superintendente disse que dos 115 pacientes internados na emergência, 81 estavam em macas nos corredores e 77 tinham chegado do Interior.

E-Mais

A CRISE NO IJF

15/9/2010. O POVO mostra que, depois de alguns meses sob controle, IJF volta a ficar superlotado e as despesas com remédios e insumos saltam de R$ 3,2 milhões para R$ 4,8 milhões no mês anterior.
Com a crise, dois diretores entregam os cargos: Fred Arnaud (diretor clínico) e Rommel Araújo (diretor da emergência).


16/9/2010

Superintendente do IJF, Messias Barbosa, convoca coletiva e informa que 67% dos atendimentos são a pessoas do Interior. O POVO flagra ambulâncias
de sete municípios encaminhando pacientes.

Rommel Araújo chegou a dizer que o hospital é usado de forma política. “Estão usando o IJF de forma equivocada, comprando voto com a promessa de atendimento”, denunciou.

DESMONTADA MAIS UMA FRAUDE DA SUJÍSSIMA REVISTA VEJA.

Ministério Público nega participação de autoridades em fraudes
Segundo a Procuradoria de Justiça dos Crimes Contra a Administração Pública, o esquema de desvio de recursos através de licitações fraudulentas envolveria apenas empresas e prefeituras. Reportagem da revista Veja inclui Ciro e Cid Gomes
Ítalo Coriolano
coriolano@opovo.com.br
20/09/2010 02:00
O Ministério Público Estadual informou que, até o momento, não há indícios de participação de autoridade federal ou estadual em um suposto esquema de desvios de verbas – R$ 300 milhões – de prefeituras cearenses. O caso – que está sendo apurado em parceria com a Polícia Federal - foi denunciado na última edição da revista Veja, e envolveria o governador Cid Gomes, seu irmão, o deputado federal Ciro Gomes, e o deputado estadual Zezinho Albuquerque, todos do PSB.
Segundo certidão da Procuradoria de Justiça dos Crimes Contra a Administração Pública (Procap), Benon Linhares, datada da última sexta-feira, os delitos estariam sendo praticados por empresas sediadas em Fortaleza e municípios do Interior.
O documento informa que as provas apreendidas estão sob análise da perícia forense da Polícia Federal do Ceará. Parte desse material foi recolhido durante a Operação Goliath, deflagrada pela PF no último dia 23 de junho. Na ocasião foi executado mandato de busca e apreensão no gabinete da 1ª secretaria da Assembleia Legislativa, ocupado por Zezinho.
Segundo reportagem de Veja, a assessora do deputado, Maria Lúcia Martins – presa nessa mesma operação -, seria responsável por recolher os recursos oriundos de licitações fraudulentas.
O esquema, afirma a revista, teria começado em 2003, quando Ciro Gomes comandava o Ministério da Integração Nacional. A pasta teria repassado recursos para algumas prefeituras, que, por sua vez, realizavam licitações dirigidas para que a empresa vencedora fosse uma das 17 pertencentes ao empresário Raimundo Morais Filho.
Ele ficaria com 4% do valor e repassava o restante para Zezinho. Recebido o dinheiro, o parlamentar o mandaria para as prefeituras, que executavam obras ou serviços licitados com qualidade inferior à exigida nos contratos. O montante que sobrava serra reunido em um caixa dois, que, segundo os arquivos de Morais, teria custeado as campanhas de Cid para governador e de Ciro para deputado federal em 2006. De 2007 a 2009, período em que Ciro não era mais ministro, os recursos sairiam do próprio Governo do Estado.
Tanto o deputado federal como o governador Cid Gomes negam qualquer participação no suposto esquema, e adiantam que irão processar judicialmente a revista. Para Ciro, as acusações são “levianas e mentirosas”, e pretendem “alterar a vontade popular que se manifesta na preferência pelo Cid em todas as pesquisas”.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

RESPONDA À NOSSA ENQUETE - LOGO ABAIXO DO ITEM O PRESIDENTE RESPONDE.

CASO O PSDB PERCA A ELEIÇÃO PARA GOVERNADOR, COMO INDICAM AS PESQUISAS, EM QUANTO TEMPO ELE FARÁ A ADESÃO AO VENCEDOR DO PLEITO?
-------------------------------------------------------------------------------------------------
No dia seguinte.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
-------------------------------------------------------------------------------------------------
30 dias depois.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Na posse do novo governo.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Nos comentários a esta postagem dê a sua opinião sobre O NOVO DESIGN DO BLOG.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Melhor do que o anterior?
-------------------------------------------------------------------------------------------------

-------------------------------------------------------------------------------------------------
Igual ao anterior?
-------------------------------------------------------------------------------------------------

-------------------------------------------------------------------------------------------------
Pior do que o anterior?
-------------------------------------------------------------------------------------------------

PACIENTE DE BOA VIAGEM INTERNADO NO IJF TEM ALTA E DESAPARECE.

Paciente do IJF desaparece
Agricultor veio do município de Boa Viagem a procura do irmão
17/09/10 - TV VERDES MARES
Conheça o drama de um agricultor que veio do município de Boa Viagem a procura do irmão.
O homem, que sofreu um acidente, desapareceu quando estava internado no IJF. Confira na reportagem de Marco Aurélio Cabral.
No IJF, a equipe do CETV tentou ouvir o superintendente do hospital, Messias Narbosa, mas ele estava numa reunião e disse que não poderia atender naquele momento.
VAMOS NÓS: A absurda e permanente de falta de atenção de muitas administrações municipais, do nosso interior, com a saúde pública nas comunas, é responsável por quase 50% dos atendimentos do IJF. Se diz, em tom jocoso, que o melhor médico do interior é "a doutora ambulância". Eu prefiro dizer, em respeito aos médicos, não o melhor médico, mas o melhor hospital. Contudo, enquanto essa irresponsabilidade de muitos prefeitos não acabar, pelo menos seria o caso de manterem, na Capital, uma estrutura de apoio a esses cidadãos e cidadãs que vêm em busca de socorro no IJF. Conheço muitos municípios que mantém casa de apoio, com pessoal treinado tanto para cuidar dessa casa de apoio quanto para acompanhar os seus pacientes (por exemplo, motorista treinado em primeiros socorros; assistente social etc). Boa Viagem tem essa casa de apoio? Tem pessoal treinado para acompanhar esses conterrâneos desafortunados em suas dificuldades?

OS BLOGUEIROS TINHAM RAZÃO: DEPOIS DE ABANDONAR O ZÉ SERRA, O TASSO AGORA ABANDONA O MARCOS CALS.


Na reta final da disputa, PSDB prioriza Tasso ao Senado
Após duas quedas seguidas de Tasso Jeiressati (PSDB) nas pesquisas de intenção de voto, o PSDB cearense reforça sua campanha à reeleição. Para isso, vale até mesmo substituir o material de campanha de Marcos Cals (PSDB) pelo do senador

André Teixeira
andretb@opovo.com.br
17/09/2010 02:00

A 16 dias das eleições, o PSDB cearense demonstra que vai priorizar de vez a candidatura de Tasso Jereissati ao Senado em detrimento da disputa ao Governo do Estado, em que concorre Marcos Cals (PSDB). Ontem, em caminhada de Cals pelo bairro Antônio Bezerra, os militantes que erguiam a bandeira do candidato ao governo trocaram o material no meio do ato de campanha e passaram a erguer a bandeira de Tasso, que estava ausente.
O material de campanha de Tasso foi disponibilizado quando Cals havia iniciado a caminhada. O carro de som que tocava o jingle de Cals passou a executar o famoso “Galeguim dos zói azul”, de Tasso. Os militantes não quiseram explicar o motivo da troca de material.
Cals teve sua candidatura definida só às vésperas do fim do prazo das convenções. Até então, o PSDB demonstrava disposição de apoiar a reeleição de Cid Gomes (PSB), o que só não aconteceu pela indefinição do governador de apoiar ou não Tasso ao Senado.
Cals foi convocado para compor a chapa majoritária do PSDB e até agora não decolou nas intenções de voto. Segundo a pesquisa O POVO/Datafolha divulgada no último dia 13, o candidato tem 8% das intenções de votos, contra 58% de Cid e 16% de Lúcio Alcântara (PR).
Tasso, que tenta reeleição ao Senado, vem de duas quedas seguidas nas pesquisas de intenção de voto e vê se aproximarem seus os dois candidatos governistas, Eunício Oliveira (PMDB) e José Pimentel (PT). O tucano lidera a corrida ao Senado com 48%, contra 34% de Eunício e 31% de Pimentel, também de acordo com o Datafolha.
Durante a caminhada de ontem, Cals negou, em entrevista, especulações de que sua atual campanha tem objetivo de formar base eleitoral para uma futura candidatura à Prefeitura de Fortaleza, em 2012. “Eu tenho 27 anos de vida pública, como diz o matuto, no espinhaço. Agora quero ser é governador”, afirmou.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

REVISITANDO A HISTÓRIA POLÍTICA DO CEARÁ [1] COMO SE CONSTRUÍAM ALGUMAS LIDERANÇAS...


Estou criando, a partir desta postagem, o item REVISITANDO A HISTÓRIA POLÍTICA DO CEARÁ, com qual pretendo provocar a memória dos internautas e blogueiros que acompanham este blog.
Nesta primeira postagem vamos recuar ao final da década de 70, quando ainda vivíamos sob o tacão da ditadura militar, aqui no Estado do Ceará representada pela força da Arena, "liderada" pelos coronéis Virgílio Távora, Adauto Bezerra e César Cals. Os três coronéis, como obedientes seguidores da política autoritária implantada no País, e beneficiários dela, comandavam três grupos politicos, revezando-se no poder imposto pelos generais, através das eleições indiretas, da perseguição política e da repressão aos movimentos sociais.
Em 1974 foi a vez do coronel Adauto Bezerra (governou de 1975 a 1978) ser ungido governadordo do Ceará pelo general-presidente Ernesto Geisel, sucedendo ao coronel César Cals que foi o ungido pelo estado de exceção para o período de 1971 a 1975, o período mais truculento da ditadura militar. Apesar de serem mais fortes, do ponto de vista de capital político, Virgílio Távora e Adauto Bezerra, dividiam o poder imposto pela ditadura com o coronel César Cals que comandava o grupo de menor expressão dos três, tanto que se dizia, na época, que o o cesismo cabia num fusca, constituído que era, basicamente, pelos deputados Armando Aguiar, João Viana e Júlio Rego, especialmente depois de haver deixado o governo e não ter conseguido eleger o seu candidato ao senado, Edval Távora, que perdeu a eleição para o então deputado Mauro Benevides que, na avalanche nacional de 1974 contra a opressão, ganhou a vaga para o senado com a famosa paródia feita da música "aonde a vaca vai o boi vai atrás" transformada em "aonde o Mauro vai o povo vai atrás". A derrota avassaladora sofrida pelos generais em 1974 abriu caminho para outro golpe contra as instituições e contra o povo, que foi a criação da figura do senador biônico, ou seja, o poder militar passava a indicar um senador por estado, o que foi viabilizado pelo chamado Pacote de Abril de 1977, de autoria do general de plantão Ernesto Geisel. Na composição determinada pelo Poder Central, que ditava todas as regras, o coronel Virgílio foi nomeado governador e para vaga biônica do Ceará foi indicado o coronel César Cals.
Mesmo com o retorno das eleições diretas para governador, a política do Ceará continuou a ser fortemente dominada pela esquema de opressão montado pela ditadura. Como maiores forças do coronelato, que dominou com mão de ferro a política do Ceará, os coronéis Virgílio e Adauto travaram uma luta titânica para indicar o candidato a governador para as eleições de 1982, que se daria, como se deu, pelo voto direto do eleitorado. Para pacificar os coronéis, agora no PDS (sucedâneo da desgastada Arena) o comando central da ditadura militar enquadrou os três, obrigando a firmarem o chamado Acordo de Brasília ou Acordo dos Coronéis, pelo qual o poder continuava sendo partilhado, pelo qual era indicado como candidato Gonzaga Mota, que, no roteiro traçado pelos "donos do poder", ancorados no autoritarismo, na opressão e no jogo de intrigas, caberia apenas ser uma espécie de gerente dos interesses dos três coronéis. Pelo acordo, Virgílio foi sagrado candidato ao senado e Adauto Bezerra candidato a vice-governador. Como prêmio de consolação ao coronel César Cals foi dada a prefeitura de Fortaleza ao seu filho César Cals Neto. Na época ainda não havia eleição direta para prefeito das capitais, o que veria a ocorrer apenas em 1985.
A partir de 1985 é que nasce a "liderança jovem" de Marcos Cals, hoje candidato a governador, por ironia do destino, do "moderno" PSDB. Essa liderança nasce exatamente nos porões do fisiologismo estabelecidos nos corredores do Palácio do Bispo. Era o coordenador político do prefeito biônico César Neto. Em 1985, com a eleição da Maria Luíza Fontenele, Fortaleza sentiu toda a consequência daquela política do fisiologismo, do empreguismo e dos interesses particulares "dessas jovens lideranças": a máquina da Prefeitura estava completamente inchada de servidores, nomeados sem concurso, o que praticamente impedia o desenvolvimento de qualquer política pública em benefício da população. Eram milhares de apaniguados, muitos dos quais ganhando sem trabalhar. A então prefeita Maria Luíza Fontenelle, corajosamente, demitiu uma leva desses servidores fantasmas, atraindo para si o ódio e a perseguição dos que se aproveitavam do poder público para seus intereses pessoais, inclusive setores da imprensa alencarina.
Chegamos a 1985 e às tratativas para as históricas eleições de 1986. Bem esse capítulo será objeto de posterior comentário.